Mundo

Chanceler alemão diz que UE precisa de acordo com Mercosul para impulsionar seu crescimento

Primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, reiterou a oposição de seu governo ao pacto comercial com os países sul-americanos

Olaf Scholz, chanceler da Alemanha (Michael Sohn/Reuters)

Olaf Scholz, chanceler da Alemanha (Michael Sohn/Reuters)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 5 de fevereiro de 2024 às 17h00.

Última atualização em 5 de fevereiro de 2024 às 17h17.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, reafirmou, nesta segunda-feira, 5, seu apoio ao acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, ao qual a França se opõe, ressaltando as "perspectivas de crescimento" que o pacto com o bloco sul-americano representa para a Europa.

"A Alemanha é um país muito apegado ao livre-comércio [...] e acredito que estamos todos de acordo em afirmar que precisamos destes acordos porque têm grande importância geoestratégica", afirmou.

Scholz fez estas declarações durante uma coletiva de imprensa conjunta com o primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, que reiterou a oposição da França ao pacto com o Mercosul porque "as condições não estão reunidas".

O acordo com os países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), em negociação há quase 25 anos, tem enfrentado forte resistência por parte de agricultores de vários países europeus, que protestam por melhores rendimentos e condições de trabalho.

Estes produtores rurais temem que o acordo UE-Mercosul diminua ainda mais os preços de seus produtos.

O acordo tem como objetivo reduzir as tarifas de importação de bens industriais e farmacêuticos, sobretudo europeus, além de produtos agrícolas.

O futuro das discussões do acordo provocou tensões entre Paris e Bruxelas.

O presidente francês, Emmanuel Macron, reafirmou mais de uma vez sua oposição a este acordo comercial, cujas regras não considera "homogêneas" com as europeias.

A Alemanha, ao contrário, é um dos mais fervorosos apoiadores do tratado, que permitirá ampliar as oportunidades para sua poderosa indústria exportadora.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaUnião EuropeiaMercosul

Mais de Mundo

Esquerda francesa enfrenta impasse para nomear primeiro-ministro; entenda

Brasil observa eleição na Venezuela com ‘preocupação e confiança’, diz Amorim

Eleições EUA: Doadores democratas reterão US$ 90 milhões enquanto Biden permanecer na disputa

Com ocupação de 99%, Reino Unido liberará milhares de detidos para abrir espaço nas prisões

Mais na Exame