Casa Branca: países do Atlântico vão aprimorar cooperação regional

O comunicado oficial da Casa Branca tem como objetivo desenvolver uma abordagem compartilhada para as questões do Oceano Atlântico
O anúncio foi feito por Jake Sullivan, conselheiro para Assuntos de Segurança Nacional do presidente dos Estados Unidos (Giuseppe Amoruso/EyeEm/Getty Images)
O anúncio foi feito por Jake Sullivan, conselheiro para Assuntos de Segurança Nacional do presidente dos Estados Unidos (Giuseppe Amoruso/EyeEm/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 20/09/2022 às 16:17.

Última atualização em 20/09/2022 às 16:45.

O governo dos Estados Unidos quer aprimorar a cooperação regional entre os países que fazem fronteira com o Oceano Atlântico, informou o conselheiro para Assuntos de Segurança Nacional do Presidente Joe Biden, Jake Sullivan, durante uma coletiva nesta terça-feira, 20, na Casa Branca.

"Os países do Atlântico se reuniram hoje na para aprimorar a cooperação regional e desenvolver uma abordagem compartilhada para as questões do Oceano Atlântico. Esperamos continuar o diálogo e explorar oportunidades de parceria na região atlântica", disse Sullivan a jornalistas em Washington.

Em um comunicado divulgado pela Casa Branca foi informado que os EUA, Angola, Argentina, Brasil, Canadá, Costa Rica, Costa do Marfim, Guiné Equatorial, Gana, Guiné-Bissau, Irlanda, Mauritânia, Holanda, Noruega, Portugal, Senegal, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, "como países costeiros que fazem fronteira com o Oceano Atlântico e membros da comunidade de países do Atlântico, compartilham o compromisso com uma região atlântica pacífica, próspera, aberta e cooperativa, preservando o oceano como um recurso saudável, sustentável e resiliente para as próximas gerações".

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Desafios como pirataria, crime organizado transnacional, pesca ilegal, não declarada e não regulamentada, das Alterações Climáticas, poluição e a degradação ambiental representam uma ameaça aos nossos meios de subsistência, diz o texto.

Sullivan afirmou que serão exploradas oportunidades para promover objetivos compartilhados de desenvolvimento sustentável econômico, ambiental, científico e de governança marítima em todo o Atlântico, de acordo com o direito internacional.

"Nosso objetivo é melhorar a cooperação regional, desenvolver uma abordagem compartilhada para as questões do Oceano Atlântico e construir capacidade compartilhada para resolver os desafios que enfrentamos no Atlântico", afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Biden falará na Assembleia Geral da ONU na quarta-feira, rompendo tradição

Bolsonaro discursa na Assembleia Geral da ONU; veja os destaques