Cartunista morto estava em lista de procurados pelo Al Qaeda

Stéphanne Charbonnier, um dos cartunistas mortos no ataque à sede do Charlie Hebdo, contava com proteção policial desde a publicação das charges de Maomé

São Paulo – Stéphanne Charbonnier, um dos quatro cartunistas do Charlie Hebdo mortos no trágico ataque terrorista à sede do jornal francês, constava em uma espécie de lista de “mais procurados” divulgada pelo grupo Al Qaeda. A informação, publicada pelo site The Wire em 2013, veio à tona nesta quarta-feira.

Segundo o The Telegraph, Charb, apelido de Charbonnier, contava com proteção policial há anos, pois era alvo de ameaças desde os idos de 2007, quando o Charlie Hebdo republicou as charges de Maomé produzidas por um cartunista dinamarquês. Em 2011, o jornal já havia sido alvo de outro atentado, mas que não deixou vítimas. 

Lista

A lista de procurados foi publicada pelo Al Qaeda em 2013 numa revista chamada Inspire e que é usada pelo grupo como uma ferramenta de propaganda de suas atividades. Charb, contudo, não era o único a ser acusado pelos extremistas de ter cometido crimes contra o Islã.

Entre os nomes que constavam na relação, revelou a reportagem do The Wire da época, estavam ainda Ayaan Hirsi Ali, uma ativista somali que luta contra a mutilação genital feminina, uma prática comum entre algumas tribos em países muçulmanos, apesar de proibida em muitos deles.

Além de Ayann, o escritor britânico Salman Rushdie e o cartunista dinamarquês Kurt Westergaard também constavam na lista. Westergaard fez parte da equipe de uma publicação da Dinamarca que fez as charges de Maomé mais tarde foram reproduzidas pelo Charlie Hebdo. 

Repercussão

O ato terrorista desta quarta, o segundo direcionado ao jornal satírico, comoveu a comunidade internacional e chocou os franceses. O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy chamou o episódio de “selvagem” e disse que apoiará medidas fortes contra o terrorismo.

O presidente Barack Obama expressou solidariedade aos familiares das vítimas dos atiradores. Já Dilma Rousseff classificou o ato como “terrorista e sangrento” e disse ser “um inaceitável ataque a um valor fundamental das sociedades democráticas – a liberdade de imprensa.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também