Mundo

Candidato alternativo a Biden e Trump é acusado de fazer churrasco de cachorro – ele nega

Robert F. Kennedy Jr. negou acusações feitas em uma nova reportagem da Vanity Fair; entenda

Robert F. Kennedy Jr não tem sequer o apoio eleitoral de sua família, que já declarou estar com Biden ((Photo by Kevin Dietsch/Getty Images)/Getty Images)

Robert F. Kennedy Jr não tem sequer o apoio eleitoral de sua família, que já declarou estar com Biden ((Photo by Kevin Dietsch/Getty Images)/Getty Images)

Publicado em 3 de julho de 2024 às 10h30.

O candidato independente às eleições nos EUA, Robert F. Kennedy Jr., negou as acusações feitas em uma nova reportagem da Vanity Fair de que ele já havia comido um cachorro num churrasco. Ele também tentou evitar responder às acusações de agressão sexual feitas por uma ex-babá à revista dizendo: “Eu não sou um garoto de igreja"

Numa entrevista ao podcast político “Breaking Points”, divulgado terça-feira, Kennedy chamou o artigo da Vanity Fair de “lixo”, mas reconheceu que o seu passado incluía “muitos esqueletos no armário”.

O artigo alega que Kennedy enviou uma mensagem de texto a um amigo no ano passado que incluía uma fotografia que o mostrava fingindo comer uma carcaça de animal cozida. Na mensagem, Kennedy teria recomendado ao amigo que tentasse comer cachorro enquanto viajava pela Coreia. A Vanity Fair informou que os metadados digitais da foto mostram que ela foi tirada em 2010 e que a publicação consultou um veterinário que disse que a carcaça na foto parecia ser de um cachorro.

Kennedy disse que a imagem o mostrava comendo uma cabra durante uma viagem à América do Sul.

Em uma postagem nas redes sociais na terça-feira, Kennedy compartilhou a imagem publicada pela Vanity Fair dele supostamente segurando um cachorro cozido e negou que a foto o retratasse comendo um cachorro. Ele não abordou as acusações de agressão sexual na postagem.

“Ei, @VanityFair, você sabe que quando seus especialistas veterinários chamam uma cabra de cachorro, e seus especialistas forenses dizem que uma foto tirada na Patagônia foi tirada na Coréia, você se juntou às fileiras dos tablóides de supermercado”, disse Kennedy. “Continue dizendo à América que o alto é o baixo, se quiser. Continuarei falando sobre o fato de que as famílias trabalhadoras não podem pagar casas ou mantimentos porque nossos dois últimos presidentes assumiram uma dívida de US$ 14 trilhões, paga por americanos trabalhadores.”


“O artigo é muito lixo. A foto que eles disseram que sou eu comendo um cachorro, na verdade, sou eu comendo uma cabra na Patagônia, em uma viagem por corredeiras, há muitos anos, no rio Futaleufu. Eles dizem… eles têm um especialista que identificou isso como uma carcaça de cachorro. Simplesmente não é verdade”, disse Kennedy.

Agressão sexual

O artigo da Vanity Fair também apresenta Eliza Cooney, uma ex-babá de meio período que trabalhou para Kennedy entre 1998 e 1999, alegando que ele a apalpou em sua cozinha. Kennedy inicialmente recusou-se a reconhecer diretamente a acusação de agressão sexual. Em vez disso, rejeitou “as outras alegações” como parte de uma “juventude muito, muito indisciplinada”.

“Eu disse isso desde o início. Eu não sou um garoto da igreja. Eu disse… tive uma juventude muito, muito indisciplinada. Eu disse em meu discurso de anúncio de candidatura que tenho… tantos esqueletos em meu armário, que se todos pudessem votar, eu poderia concorrer ao cargo de rei do mundo”, disse Kennedy, acrescentando: “A Vanity Fair está reciclando histórias de 30 anos atrás. , e eu, você sabe, não vou comentar os detalhes de nenhum deles.”

Quando questionado diretamente se ele negava ter agredido sexualmente Cooney, Kennedy repetiu: “Não vou comentar sobre isso”.

Pesquisas recentes mostraram Kennedy estagnado em relação a Joe Biden e Donald Trump, os virtuais candidatos democratas e republicanos, respectivamente. Uma pesquisa da CNN divulgada na terça-feira revelou que Kennedy obteve 14% de apoio, atrás de Trump (41%) e Biden (35%).

Acompanhe tudo sobre:Eleições EUA 2024

Mais de Mundo

Com Itália envelhecida, projeto quer facilitar ida de imigrantes para trabalhar no país; entenda

Premiê de Bangladesh cancela viagem ao Brasil após protestos em massa

Supremo de Bangladesh anula cotas de emprego que geraram protestos com mais de 100 mortos

Coreia do Norte lança mais balões de lixo e Seul diz que tocará k-pop na fronteira como resposta

Mais na Exame