Canadá anuncia sua primeira estratégia de adaptação climática

Com as cerca de 70 medidas, o governo federal espera reduzir os gastos com desastres naturais
As mudanças climáticas estão afetando todas as comunidades do Canadá”, disse o Ministério de Segurança Pública e Preparação para Emergências, Bill Blair (Valeriy_G/Getty Images)
As mudanças climáticas estão afetando todas as comunidades do Canadá”, disse o Ministério de Segurança Pública e Preparação para Emergências, Bill Blair (Valeriy_G/Getty Images)
A
AFPPublicado em 25/11/2022 às 06:57.

O Canadá apresentou nesta quinta-feira (24) sua primeira estratégia nacional de adaptação às mudanças climáticas, que combina investimentos e novas normas de construção, visando “proteger as comunidades e construir uma economia forte”.

No total, será investido 1,6 bilhão de dólares canadenses, em cinco anos, para ajudar os municípios a financiar infraestrutura pública resistente a inundações e informar melhor sobre o uso de novos mapas de inundações e dados climáticos mais precisos.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

“As mudanças climáticas estão afetando todas as comunidades do Canadá”, disse o Ministério de Segurança Pública e Preparação para Emergências, Bill Blair.

Fiona, a tempestade que em setembro deixou um prejuízo de 660 milhões de dólares, é só uma amostra dos custos que virão, disse o governo, que prevê que os danos por desastres naturais chegarão a 15,4 bilhões de dólares por ano em 2030.

“Nos últimos anos, temos visto, não só no Canadá, mas em todo o mundo, um aumento na frequência e gravidade dos eventos climáticos”, acrescentou Blair.

Com as cerca de 70 medidas, o governo federal espera reduzir os gastos com desastres naturais ao definir “objetivos e metas claros para a adaptação”. Segundo Ottawa, cada dólar investido deve poupar 15.

As medidas incluem melhorias no ar condicionado e na qualidade do ar e uma redução da pressão na infraestrutura que gerencia águas pluviais, de acordo com dados federais.

A nova estratégia ficará aberta por três anos a comentários das províncias, territórios e organizações aborígenes do país.

A readequação das sociedades perante as mudanças climáticas foi um tema muito discutido na COP27, a cúpula do clima da ONU, finalizada na semana passada no Egito.

LEIA TAMBÉM: