Burkina Faso tem segundo golpe militar em menos de um ano

Os golpistas impuseram um toque de recolher na capital e fecharam as fronteiras terrestres e aéreas do país
Burkina Faso: Constituição foi suspensa e o Parlamento, dissolvido. (Joe Penney/Reuters)
Burkina Faso: Constituição foi suspensa e o Parlamento, dissolvido. (Joe Penney/Reuters)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 01/10/2022 às 10:24.

O chefe da junta militar que governava Burkina Faso, tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba, foi deposto nesta sexta-feira, 30, no segundo golpe militar no país em menos de um ano.

Os golpistas impuseram um toque de recolher na capital e fecharam as fronteiras terrestres e aéreas do país. A Constituição foi suspensa e o Parlamento, dissolvido.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Após um dia marcado por tiroteios no bairro onde fica a sede da presidência em Uagadugu, cerca de quinze soldados, alguns com os rostos cobertos, fizeram um pronunciamento na televisão estatal.

"O tenente-coronel Damiba foi destituído de suas funções de presidente do Movimento Patriótico para a Salvaguarda e a Restauração (MPSR, órgão dirigente da junta), declararam os militares em um comunicado lido por um capitão.

O novo homem forte do país, indicado pelo presidente do MPSR, é agora o capitão Ibrahim Traoré, completou o oficial.

Os militares citaram a degradação contínua da situação de segurança no país para justificar o golpe.

Em janeiro, o tenente-coronel Damiba derrubou o presidente eleito Roch Marc Christian Kaboré e prometeu melhorar a segurança no país, que sofre com ataques de terroristas islâmicos que atuam em algumas províncias ao norte.