Mundo

British Airways adia voo ao Cairo por toque de recolher

Governo egípcio ampliou o toque de recolher até as 7h do sábado

A British Airways espera que seu voo possa decolar no sábado (Adrian Dennis/AFP)

A British Airways espera que seu voo possa decolar no sábado (Adrian Dennis/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de janeiro de 2011 às 17h25.

Londres - A companhia aérea britânica British Airways anunciou que adiou o voo que decolaria nesta sexta-feira à noite de Londres com destino ao Cairo, devido ao toque de recolher em vigor no Egito até sábado de manhã.

"Em consequência do toque de recolher noturno, a companhia está modificando os programas de voo para evitar as horas de escuridão", anunciou a companhia aérea em um comunicado. "Por precaução, deixamos em terra nosso voo noturno a partir de Heathrow", acrescentou.

O voo deve decolar, a príncipio, no sábado de manhã, informou uma porta-voz.

Por sua vez, a British Airways indicou que por enquanto mantém "normalmente" as operações desde e para a turística Sharm el Sheikh, no norte do país.

No entanto, informou que mantém uma "vigilância constante" da situação no Egito, e recomendou aos passageiros que pretendem viajar a este país nas próximas 72 horas que consultem seu site e, se desejarem, mudem as passagens para outra data ou destino.

O presidente Mubarak decretou nesta sexta-feira o toque de recolher nas três províncias mais importantes do país, no quarto dia de protestos no Cairo e em outras cidades egípcias.

Este toque de recolher estará vigente até nova ordem entre as 18H00 e as 07H00 local (14H00-03H00 de Brasília).

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaAviaçãoBritish Airwayscompanhias-aereasEmpresasEmpresas inglesasPolítica no BrasilProtestos

Mais de Mundo

Eleições nos EUA: vice de Trump, Vance promete recuperar indústria em estados cruciais na disputa

Solto da prisão de manhã, Peter Navarro é ovacionado na convenção republicana à noite

Biden tem grandes chances de desistir no fim de semana, dizem democratas em Washington

Fotos de ataque a Trump são usadas para vender bíblias e camisetas na Convenção Republicana

Mais na Exame