Mundo

Taxistas sequestram e torturam brasileiros usuários de Uber, no México

Grupo composto por seis homens, uma mulher e o motorista do carro de aplicativo passaram 12 horas em poder dos criminosos

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 10 de junho de 2024 às 11h03.

Um motorista que trabalha pelo aplicativo Uber e sete turistas brasileiros, sendo seis homens e uma mulher, foram sequestrados, torturados e agredidos por taxistas em Cancun, no México. O grupo foi libertado pela polícia mexicana após passarem 12 horas em poder dos criminosos.

O caso ocorreu em 21 de maio. Na ocasião, os brasileiros chamaram o serviço após desembarcarem no terminal de ônibus ADO. Rendidos, eles foram levados para um esconderijo situado em uma das saídas de Cancun, perto da Avenida José López Portillo, no entroncamento Gas Auto.

De acordo com a jornal Heraldo de México, o carro com os brasileiros foi interceptado por dois veículos do Sindicato Andrés Quintana Roo.

A sessão de tortura começou durante o caminho até a saída da cidade e continuou no cativeiro. Os brasileiros também tiveram seus pertences roubados. Após serem liberados, os brasileiros e o motorista caminharam pelo menos quatro quilômetros até serem socorridos. O grupo foi resgatado por agentes da Secretaria de Segurança Cidadã e Trânsito Benito Juárez.

Segundo o jornal El Sol de México, dois homens e uma mulher foram levados ao hospital para receberem cuidados médicos. As demais vítimas ficaram sob proteção das autoridades locais.

Jesús Almaguer, presidente da Associação de Hotéis de Cancún, afirmou em nota que vem "monitorando e pressionando as autoridades para punir essas pessoas sem noção de forma exemplar. É terrível que eles machuquem tanto a imagem da cidade". O Sindicato Andrés Quintana Roo não fez comentários.

 

Acompanhe tudo sobre:MéxicoUberInternacional

Mais de Mundo

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Ministro alemão diz que tarifas da UE a carros elétricos chineses não são punitivas

Dez freiras espanholas foram excomungadas pelo Vaticano; entenda

Mulheres israelenses correm para comprar armas depois de 7 de outubro

Mais na Exame