Mundo

Estudo avalia o uso do etanol em motor para foguete

Combustível à base de etanol e peróxido de hidrogênio pode ser alternativa verde para a propulsão de satélites

Pesquisadores analisam a substituição de combustível tóxico por etanol, na propulsão de foquetes (.)

Pesquisadores analisam a substituição de combustível tóxico por etanol, na propulsão de foquetes (.)

Gabriela Ruic

Gabriela Ruic

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h37.

São Paulo - O Programa FAPESP - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), está desenvolvendo um estudo cujo objetivo é avaliar o uso do etanol e peróxido de hidrogênio como combustível líquido alternativo para a propulsão de foguetes. Atualmente, o combustível utilizado na movimentação de foguetes é à base de uma substância chamada hidrazina, altamente tóxica e nociva ao meio ambiente.

De acordo com José Miraglia, professor da Faculdade de Tecnologia e Informação (FIAP) e engenheiro que lidera o estudo, a hidrazina não é uma tecnologia desenvolvida no Brasil, o que a torna cara. Em contrapartida, combustíveis à base de etanol e peróxido de hidrogênio "são renováveis,"verdes" e de produção 100% nacional". 

A primeira fase do projeto pretendia avaliar o desempenho deste combustível "verde"  em propulsores de foguetes de 10 newtons (N), utilizados para controlar a altitude e o posicionamento de satélites. "Em comparação à hidrazina, o etanol peróxido,  é mais eficiente e mais seguro. Ou seja, o combustível é viável tecnicamente", explica o professor.

Os resultados positivos permitiram que o projeto avançasse para uma segunda fase. O desafio será a utilização do etanol e peróxido de hidrogênio em propulsores de foguetes de até 1000 N. Esta fase está programada para se concluída em até dois anos e irá definir se a tecnologia desenvolvida poderá ser utilizada no Projeto Satélite de Reentrada Atmosférica (SARA), coordenado pelo IAE, e que irá realizar experimentos em ambiente de microgravidade, altitude máxima de 300 km e período de órbita de 10 dias.

A Agência Espacial Europeia também estuda uma alternativa verde a hidrazina. Leia mais na matéria "ESA irá usar combustível verde em satélite"
 
Veja outras notícias sobre etanol e sustentabilidade

Acompanhe tudo sobre:BiocombustíveisCombustíveisCommoditiesEnergiaEtanolTecnologias limpas

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame