Mundo

Bolívia: milhares serão indenizados como vítimas

La Paz - Mais de 6.000 bolivianos ou seus familiares foram qualificados para receber do Estado uma indenização - que vai de 5.700 a 28.800 dólares - por terem sido vítimas das ditaduras militares de direita nas décadas de 1960 a 1980, informou o governo nesta quarta-feira. "Essas pessoas cumpriram todos os requisitos e já […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de julho de 2010 às 15h36.

La Paz - Mais de 6.000 bolivianos ou seus familiares foram qualificados para receber do Estado uma indenização - que vai de 5.700 a 28.800 dólares - por terem sido vítimas das ditaduras militares de direita nas décadas de 1960 a 1980, informou o governo nesta quarta-feira.

"Essas pessoas cumpriram todos os requisitos e já estão prontas para serem ressarcidas. Veremos se há alguém além dos 6.221" registrados, afirmou a ministra da Justiça, Nilda Copa, citada pelo jornal La Razón.

Uma lei de 2004 prevê que pessoas que foram vítimas das ditaduras militares receberão ao menos 60 salários mínimos nacionais (5.700 dólares) ou um máximo de 300 salários mínimos (28.800 dólares).

O poder Executivo tem um orçamento de 3,6 milhões de dólares para as indenizações e ainda lhe faltam mais de 10 milhões para cobrir todos os pedidos.

O processo de qualificação das vítimas terminou e agora será aberto o processo de notificação a todos os interessados, afirmou à AFP o escritório de comunicação do Ministério da Justiça.

Nas décadas de 1960, 1970 e 1980, as ditaduras militares perseguiram ativistas e políticos de esquerda na Bolívia, em operações que se traduziram em assassinatos, torturas, exílios e detenções.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaBolíviaIndenizações

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame