Bispos do Chile pedem perdão por abusos sexuais e prometem delatar casos

Denúncias contra membros da Igreja levaram o papa Francisco a abrir investigação que provocou saída de sacerdotes acusados de praticar ou encobrir abusos

Santiago - Os bispos da Igreja Católica do Chile pediram perdão nesta sexta-feira pelos abusos sexuais de membros do clero contra menores e se comprometeram a informar sobre todos os casos, além de aumentar a coordenação com a procuradoria nas investigações.

Após um conclave em uma localidade litorânea próxima de Santiago, a cúpula da igreja reconheceu que "falhou" em seu dever de atender e acompanhar as vítimas devido ao "graves pecados e injustiças cometidas por sacerdotes e religiosos".

As denúncias contra diversos membros da Igreja Católica chilena levaram o papa Francisco a abrir uma investigação neste ano que provocou a saída de bispos e outros sacerdotes acusados de praticar ou encobrir abusos contra menores.

"Não reagimos a tempo ante os dolorosos abusos sexuais, de poder e de autoridade, e por isso pedimos perdão em primeiro lugar às vítimas e sobreviventes", disse Santiago Silva, presidente da Conferência Episcopal do Chile.

"Alguns de nós conseguimos ser mais ativos e atentos à dor sofrida pelas vítimas, pelos familiares e pela comunidade eclesial", acrescentou.

De acordo com dados da procuradoria chilena, há 38 casos vigentes de delitos cometidos por clérigos e laicos contra menores, adolescentes e adultos. No total, são 73 pessoas investigadas e 104 vítimas, a maioria delas menores de idade no momento dos abusos.

Em resultado disso todos os membros do episcopado combinaram uma série de medidas e compromissos na intenção de pôr fim às faltas e omissões que provocaram a pior crise da Igreja Católica no Chile.

"A partir desta data, divulgaremos publicamente toda investigação prévia sobre possíveis abusos sexuais de menores de idade praticados em nossas jurisdições. Solicitamos o mesmo dos superiores de congregações religiosas", disse Silva.

Juntamente com ele, o episcopado reiterou seu compromisso de colaborar com a justiça civil para que dezenas de casos nas mãos da procuradoria chilena sejam investigados.

"Pretende-se fazer um convênio para ter uma transmissão fluida de informação que esteja conforme tanto com a igreja, de acordo com nossa normativa, como também com os requerimentos do Ministério Público. Isso está em discussão", disse o secretário-geral do Episcopado, Fernando Ramos.

Sobre a possibilidade de a igreja entregar os nomes das vítimas à procuradoria, Ramos disse se tratar de um dos tópicos que estão "em discussão".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.