Biden ampliou vantagem na eleição americana. Trump tem chance de virar?

Pesquisas mostram Biden com até 16 pontos de vantagem sobre Trump nacionalmente. Veja como está a corrida nos principais estados da eleição americana

Passada uma semana desde o primeiro debate presidencial, o democrata Joe Biden parece ter se consolidado um pouco mais na liderança da corrida eleitoral americana contra o presidente Donald Trump.

Segundo a média das pesquisas divulgadas nos Estados Unidos compilada pelo Real Clear Politics, Biden tem nove pontos de vantagem contra o presidente, ante os sete que tinha antes do debate. A disputa está em 51% a 42% na média. Em uma das pesquisas, da CNN divulgada ontem, Biden chegou a mostrar 16 pontos de vantagem.

Biden já vem liderando o voto nacional desde o começo da campanha. Mas o aspecto mais importante na eleição americana são mesmo os estados, que rendem votos no colégio eleitoral. Nesta seara, nova pesquisa da CNBC divulgada nesta quarta-feira, 7, mostra o quanto Biden também tem avançado nestes lugares.

Dos seis estados decisivos na eleição sondados pela pesquisa, Biden tem vantagem nos seis — embora seja uma vantagem apertada. Os estados em foco são Arizona, Florida, Michigan, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin, e as entrevistas foram feitas depois do diagnóstico de covid-19 de Trump na sexta-feira, 2 de outubro.

O importante no modelo americano é ganhar os votos dos chamados swing states, ou battleground states (os estados “campo de batalha”), onde nem republicanos nem democratas têm vitória garantida.

Ao todo, o presidente tem agora 50% dos votos contra 45% de Trump nesses seis estados, ante 49% que tinha antes do debate. Vale lembrar que há poucos indecisos restantes nos EUA, pouco mais de 10%.

Há estados que historicamente eram republicanos, mas onde Biden disputa de igual para igual nesta eleição, como o Arizona ou a Geórgia (não listada pela CNBC nesta pesquisa). Todos os estados decisivos, incluindo outros não listados pela CNBC, votaram em Biden em 2016 — o que levou o presidente à vitória.

Se a eleição fosse hoje, Biden ganharia na maior parte dos estados decisivos e levaria a vitória

Ainda assim, entre margem apertada em alguns lugares e folgada em outros, se a eleição fosse hoje, Biden ganharia por 278 votos dos 538 do colégio eleitoral (o candidato vencedor precisa de 270 votos).

Claro, a eleição de 2016 também deixou marcas até hoje nas discussões sobre as pesquisas. Na época, Hillary Clinton, ex-secretário de Estado no governo Obama e esposa do ex-presidente Bill Clinton, tinha mais de 70% de chances de vitória. Ela terminou derrotada sem que quase nenhuma pesquisa tivesse previsto o resultado.

A pesquisa da CNBC também perguntou a visão dos eleitores sobre o diagnóstico de covid-19 de Trump. O presidente ficou internado no fim de semana e voltou para a Casa Branca nesta segunda-feira, embora vídeos tenham mostrado o presidente com dificuldade em respirar no dia que teve alta.

Segundo a pesquisa, só 39% dos entrevistados acredita que Trump tomou as precauções necessárias para evitar se expor ao vírus. Já 75% disse que Biden tomou essas precauções — o vice, que teve contato com Trump no debate, teve testes negativos para a covid-19 por ora.

Se o dinheiro é algum sinal, desde o debate, Biden também subiu quase dez pontos percentuais na média das casas de aposta. Segundo as apostas em sites como Betfair e Betsson compiladas pelo Real Clear Politics, hoje quase 64% dos apostadores colocam dinheiro em vitória de Biden, ante 35% para Trump.

Já no dia seguinte ao debate, a vantagem de Biden entre os apostadores (que estavam empatados há um mês) já havia subido quatro pontos na média, e continuou em alta nos dias que se seguiram.

O primeiro debate aconteceu na última terça-feira, 29 de setembro. O evento foi marcado por bate boca, interrupções e um certo caos que confundiu até o moderado Chris Wallace, da Fox News. Segundo pesquisa da CBS com espectadores, oito em cada dez ficaram incomodados com o baixo nível da discussão. De acordo com a mesma pesquisa, Biden venceu o debate, embora com margem apertada.

Enquanto isso, na noite desta quarta-feira, um novo debate chama atenção na corrida eleitoral, desta vez entre os vices Mike Pence e Kamala Harris.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.