Berlim condiciona ajuda a Portugal à implementação de reformas

Ministro da Economia alemão pediu que os portugueses façam um plano de consolidação fiscal com a participação da UE, do FMI e do Banco Central Europeu

Berlim - O ministro da Economia alemão, o liberal Rainer Brüderle, exigiu nesta quinta-feira que a ajuda financeira da União Europeia (UE) a Portugal seja condicionada à implementação de um rígido programa de reformas e a um agressivo plano de consolidação fiscal.

O ministro afirmou em nota oficial que em troca da ajuda financeira do bloco, Lisboa "deve apresentar um exigente programa de ajuste" em comum acordo com a Comissão Europeia (CE), o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), "para reconstruir a competitividade de Portugal".

Além disso, Brüderle acrescentou que o país ibérico, que anunciou ontem que iria recorrer ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira, "precisa de um plano de choque que possa sanear os orçamentos estatais".

O ministro alemão explicou que agora a CE, o BCE e o FMI devem analisar a situação financeira real de Portugal para chegar a um acordo sobre os detalhes do resgate.

"Os mercados esperavam há muito tempo por isso", afirmou Brüderle.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.