Autoridades da Crimeia negam acesso aos observadores da OSCE

Autoridades pró-russas da Crimeia negaram acesso para um grupo de cerca de 30 observadores militares não armados da OSCE

Viena - As autoridades pró-russas da Crimeia negaram acesso para um grupo de cerca de 30 observadores militares não armados da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), informou nesta quinta-feira a porta-voz da OSCE, Tatiana Baeva.

Em declarações à Agência Efe em Viena, onde se encontra a sede da organização, Tatiana relatou que os militares estavam a bordo de dois ônibus, ambos procedentes da cidade ucraniana de Odessa, quando foram impedidos de entrar na Crimeia.

Agora, o grupo de observadores se encontra na cidade de Kherson, ao norte da Crimeia, "onde estudam um plano de ação".

A pedido do novo governo da Ucrânia, um total de 22 países aderidos à OSCE autorizou nesta semana o envio de um total de 41 soldados desarmados para inspecionar a situação na Crimeia.

Entre esses países, se destacam alguns países membros da Otan, como os Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Reino Unido, Itália e Turquia, que ofereceram, cada um, o envio de dois soldados.

O mandato deste contingente fica estabelecido no capítulo 3 do chamado "Documento de Viena", que permite receber de maneira voluntaria visitas "para tratar de atividades militares incomuns".

Nesta semana, Kiev havia pedido ao restante dos 56 países aderidos à OSCE que enviassem esse pessoal militar ao seu território entre os dias 5 e 12 de março, a começar pela cidade de Odessa.

Essa é a primeira vez que o mecanismo do "Documento de Viena" foi acionado.

Em paralelo, o governo dos EUA e seus aliados estão tentando impulsionar uma ampla missão de observadores, não só no campo militar, mas também para supervisionar a situação dos direitos humanos, das minorias ou da liberdade de imprensa, algo que poderia relaxar a tensão no terreno.

Enquanto o novo governo da Ucrânia pede o envio desses observadores, a Rússia já demonstrou seu ceticismo em relação à utilidade de uma missão na Crimeia.

Para um amplo mandato, com centenas de analistas, a OSCE necessita de uma decisão de consenso entre todos os estados membros, ou seja, também necessita do respaldo da Rússia e seus aliados mais próximos, como Belarus.

A OSCE, um organismo que tem suas origens na Guerra Fria, possui objetivo de prevenir conflitos e fomentar a democracia e o Estado de Direito. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.