Atividade econômica das grandes potências da OCDE registra expansão

Na China, porém, Indicador Composto Avançado caiu 0,2 ponto percentual

Paris - A atividade econômica nas grandes potências da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) segue mostrando sinais de expansão, segundo os indicadores dessa organização, que alerta para o risco de uma queda na China e na Itália.

No conjunto da OCDE, o Indicador Composto Avançado subiu 0,3 ponto em dezembro passado, o que representa um avanço de 2,2 pontos nos últimos 12 meses.

"Os indicadores para Alemanha (0,2 ponto), Japão (0,7) e Estados Unidos (0,4) apontam para uma tendência a uma expansão relativamente robusta", enquanto esta é moderada em Canadá (0,2), França (0,1) e Reino Unido (0,1), indicou a OCDE.

Por isso, a organização ressalta que se vive um "momento de crescimento recuperado" generalizado, inclusive para o conjunto das sete maiores economias do mundo, mas ressalta que economias como a chinesa e a italiana poderiam sofrer uma queda da atividade.

No caso da China, esse indicador caiu 0,2 ponto em dezembro e acumula uma queda de 3,4 pontos nos últimos 12 meses.

"Os últimos dados da China apontam para uma queda, invertendo os sinais que tendiam a um momento de crescimento" um mês antes, destacou a OCDE, que precisou que as estimativas para esse país permanecem "voláteis".

No caso da Itália, o retrocesso em dezembro foi de 0,1 ponto e, no último ano, de 1,5.

Também há uma tendência ao arrefecimento da economia indiana, cujo indicador caiu 0,5 ponto em dezembro e perdeu 2,1 em um ano.

Já os dados da Rússia "continuam apontando para uma expansão (0,2 ponto em dezembro), enquanto se espera que o Brasil (0,2 ponto) mantenha a tendência a longo prazo".

Em dezembro o México teve um retrocesso dos indicadores de 0,02 ponto, enquanto nos últimos doze meses o país registrou uma perda de 0,42 ponto.

Os indicadores do Chile avançaram 0,1 ponto em dezembro e acumulam um avanço de 2,08 no último ano, enquanto os da Espanha caíram 0,07 em dezembro e tiveram um retrocesso anualizado de 0,57.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.