Mundo

Ataques contra a Síria foram baseados em "mentiras" na ONU, diz Assad

O presidente da Síria afirmou neste domingo que os ataques aéreos do Ocidente contra seu país foram acompanhados por uma campanha de "mentiras"

Bashar al-Assad falou a um grupo de políticos da Rússia em visita (SANA/Handout/Reuters)

Bashar al-Assad falou a um grupo de políticos da Rússia em visita (SANA/Handout/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 15 de abril de 2018 às 10h44.

Última atualização em 15 de abril de 2018 às 10h45.

Beirute - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, afirmou neste domingo que os ataques aéreos do Ocidente contra seu país foram acompanhados por uma campanha de "mentiras" no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas. Assad falou a um grupo de políticos da Rússia em visita e suas declarações foram veiculadas pela imprensa estatal.

O líder sírio e a Rússia negam que tenha havido o uso de armas químicas em um ataque neste mês a um subúrbio de Damasco, Douma, que era controlado por rebeldes. O uso desse tipo de arma foi o argumento dado por Estados Unidos, Reino Unido e França para atacar com mísseis a Síria, no início do sábado (hora local).

Assad disse aos visitantes que os três países que realizaram o ataque lançaram uma campanha de "mentiras e desinformação" contra a Síria e a Rússia.

O Conselho de Segurança da ONU está em um impasse sobre como lidar com o conflito sírio, que já dura sete anos, e com o suposto uso de armas químicas. A Rússia é um membro permanente do Conselho de Segurança, com poder de veto, e é também aliada próxima de Assad. Fonte: Associated Press.

Acompanhe tudo sobre:Bashar al-AssadConselho de Segurança da ONUEstados Unidos (EUA)RússiaSíria

Mais de Mundo

Nova Frente Popular: Quem é a coalizão de esquerda que venceu as eleições na França?

Eleições na França: herdeiro de império bilionário perde vaga ocupada pela família desde 1958

Modi visita Putin com missão de reforçar laços comerciais e diplomáticos

Estas 6 cidades na Europa que estão pagando para você morar lá

Mais na Exame