Mundo

Ataque em Gaza deixa 22 mortos perto de abrigos para deslocados, diz Cruz Vermelha

Militares israelenses afirmaram que uma análise inicial não mostrou 'nenhuma indicação' de um bombardeio na região

Ataque em Gaza: 22 mortos próximo a abrigos de deslocados, segundo Cruz Vermelha (Eyad BABA/AFP)

Ataque em Gaza: 22 mortos próximo a abrigos de deslocados, segundo Cruz Vermelha (Eyad BABA/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 22 de junho de 2024 às 11h01.

Tudo sobreFaixa de Gaza
Saiba mais

Ao menos 22 pessoas foram mortas e mais de 50 ficaram feridas num bombardeio próximo à área onde centenas de deslocados palestinos se refugiam em al-Mawasi, comunidade costeira no sul da Faixa de Gaza, perto da cidade de Rafah, afirmou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) na sexta-feira. A declaração do CICV não apontou um responsável pelo ataque, que também danificou as estruturas de seu escritório na região, mas descreve "projéteis de grande calibre", sugerindo os tipos de armas utilizadas por Israel e não pelo Hamas.

"Disparar tão perigosamente perto de estruturas humanitárias coloca em risco a vida de civis e humanitários", alertou o grupo no X (antigo Twitter). O CICV ainda chamou o ataque de "grave incidente de segurança", um dos vários que sofreu nos últimos dias.

Israel prossegue ofensiva em Rafah, Biden culpa Hamas por atraso na trégua

Reações e análises

Mais tarde, o Ministério da Saúde do território, controlado pelo grupo terrorista Hamas, culpou Israel pelo ataque. Os militares israelenses, por sua vez, afirmaram que sua análise inicial não mostrou "nenhuma indicação" de um bombardeio na região.

Rafah, que faz fronteira com o Egito, tem sido o ponto focal da campanha militar israelense desde o início de maio. Cerca de um milhão de pessoas deslocadas de outras partes de Gaza aglomeraram-se na cidade desde o início da guerra, em 7 de outubro, após o ataque do Hamas no sul de Israel.

Ofensiva terrestre e zona segura

Quando a ofensiva terrestre israelense começou na região, as Forças Armadas ordenaram que as pessoas se deslocassem para a área humanitária expandida em al-Mawasi, designada como uma "zona segura", enquanto intensificavam suas operações no sul do enclave. Segundo as Nações Unidas, as instalações na área são inadequadas para as centenas de milhares de habitantes de Gaza desalojados pela violência em Rafah e em toda a Faixa de Gaza.

Ataques em Gaza

O Hamas também reportou ataques em distritos da Cidade de Gaza, no norte do enclave palestino, no sábado, deixando ao menos 42 mortos no total. Um dos ataques ocorreu em al-Shati, um dos oito campos históricos de refugiados da Faixa de Gaza, matando 24 pessoas, disse Ismail al-Thawabta à Reuters, acrescentando que outros 18 palestinos foram mortos num ataque a casas no bairro de al-Tuffah.

Segundo o Exército de Israel, caças atingiram dois locais de infraestrutura militar do Hamas na região. De acordo com relatos iniciais publicados na mídia israelense, os ataques tinham como alvo um comandante graduado do Hamas.

Escalada de conflito e alerta da ONU

Enquanto isso, depois de meses de escalada de violência ao longo da fronteira norte de Israel com o Líbano, o chefe das Nações Unidas, António Guterres, alertou na sexta-feira que "o risco de agravamento do conflito no Oriente Médio é real e deve ser evitado". Falando a repórteres em Nova York, Guterres disse que "um movimento precipitado" de Israel ou do Hezbollah, grupo libanês apoiado pelo Irã, poderia desencadear uma "catástrofe que vai muito além da fronteira e, francamente, além da imaginação".

Aliado do Hamas, o grupo reivindicou uma série de ataques contra tropas israelenses e posições perto da fronteira na sexta-feira, incluindo dois usando drones. Por sua vez, o Exército israelense disse ter realizado vários ataques de retaliação nos últimos dois dias.

Conflito com o Hezbollah

Jatos israelenses atingiram na sexta-feira uma "estrutura militar do Hezbollah na área de Khiam, um posto militar do Hezbollah na área de Meiss al-Jabal e uma infraestrutura terrorista do Hezbollah nas áreas de Taybeh e Tallouseh no sul do Líbano", disse o exército em um comunicado.

Em meio à escalada de conflito entre Israel e o Hezbollah e os temores de uma guerra mais ampla na região, os militares de Israel disseram na terça-feira que os planos para uma ofensiva no Líbano foram "aprovados e validados".

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, por sua vez, afirmou recentemente que "nenhum lugar" em Israel "seria poupado de nossos foguetes" em uma guerra mais ampla, e também ameaçou o vizinho Chipre, membro da União Europeia (UE).

Consequências do conflito

A violência na fronteira com o Líbano começou após o ataque do Hamas ao sul de Israel em outubro, que resultou na morte de 1.194 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais. Eles também capturaram reféns, 116 dos quais permanecem em Gaza, embora o Exército de Israel afirme que 41 estão mortos.

Em resposta ao ataque, a ofensiva retaliatória de Israel já matou pelo menos 37.431 pessoas no enclave palestino, a maioria civis, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

Acompanhe tudo sobre:Faixa de GazaIsraelHamasCruz Vermelha

Mais de Mundo

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado

Serviço Secreto admite que rejeitou pedidos de Trump por mais agentes nos últimos dois anos

Paris 2024 descarta o uso de máscaras contra a covid-19, por enquanto

Com Itália envelhecida, projeto quer facilitar ida de imigrantes para trabalhar no país; entenda

Mais na Exame