• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

As 10 cidades mais caras do mundo, segundo a The Economist

Estudo deste ano comparou dados para entender como a pandemia influenciou na mudança de preços de bens e serviços nas cidades
The Economist: pandemia provocou mudanças na classificação das cidades com maior custo de vida (Getty Images/Kiran Ridley)
The Economist: pandemia provocou mudanças na classificação das cidades com maior custo de vida (Getty Images/Kiran Ridley)
Por André MartinsPublicado em 23/11/2020 18:53 | Última atualização em 23/11/2020 20:00Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A pandemia de covid-19 mudou toda a dinâmica mundial, inclusive o preço para se viver nas maiores cidades do mundo. É o que mostra a nova pesquisa sobre o custo de vida da The Economist Intelligence, a divisão de pesquisa e análise da revista inglesa The Economist

Segundo o estudo, o índice de custo de vida mundial mostra que neste ano os preços de 138 bens e serviços em cerca de 130 grandes cidades em setembro de 2020 aumentaram 0,3 ponto em média comparada ao ano passado.

As cidades com o custo mais elevado são Paris, capital da França, Zurique, na Suíça, e Hong Kong, na China. No relatório anterior, Cingapura e Osaka ocupavam as posições de Paris e Zurique, mas caíram na classificação.

A explicação para as principais alterações da pesquisa está vinculada à pandemia. Segundo relatório, enquanto o dólar americano enfraqueceu, as moedas europeias e do norte da Ásia valorizaram, o que elevou os preços dos bens e serviço

O Brasil está na lista representado por São Paulo e Rio de Janeiro, que ao lado de Teerã, no Irã, foram as cidades que tiveram maior oscilação na classificação considerando os últimos 12 meses. São Paulo e Rio de Janeiro tornaram-se cidades mais baratas, pulando da 96ª para a 119ª. Segundo o estudo, a desvalorização do real e empobrecimento da população são os vetores dessa mudança.

Teerã, diferentemente das cidades brasileiras, tornou-se mais cara, estava na 106ª posição e subiu para 79ª. A explicação está nas sanções impostas pelos Estados Unidos, que interromperam as importações do país.

O estudo concluiu também que a mudança de estilo de vida causada pela pandemia foi determinante para mudanças de preços de bens e serviços. Com uma queda acentuada de renda em alguns países — mesmo com ajuda governamental — a população preferiu economizar, cortando gastos não essenciais.

Em 2021, a pesquisa não espera um cenário diferente do atual. Com a imprevisibilidade da pandemia em curso, o estudo aponta que o custos nas cidades podem continuar aumentando.

As dez cidades mais caras do mundo

1º Zurique
1º Paris
1º Hong Kong
4º Cingapura
5º Tel-Aviv
5º Osaka
7º Genebra
7º Nova York
9º Copenhague
9º Los Angeles