Argentina anuncia oficialmente fim da quarentena, iniciada em 20 de março

“A pandemia está longe de ter sido erradicada, não a superamos”, alertou o presidente Alberto Fernández

O presidente argentino, Alberto Fernández, anunciou nesta sexta-feira que apenas duas cidades, no sul do país, continuarão em isolamento sanitário, enquanto medidas preventivas de distanciamento estarão em vigor no restante do território devido à queda nas infecções de covid-19 registradas no último semanas. 

“Estamos entrando em uma nova etapa”, explicou Fernández em mensagem da sede do governo.

Conforme indicado, “existem apenas duas cidades em situação de isolamento sanitário: Bariloche (Río Negro) e Puerto Deseado (Santa Cruz). O restante da Argentina permanece em distância sanitária até 20 de dezembro”.

 

Até agora, havia dez províncias em que as regiões eram mantidas em isolamento obrigatório, de acordo com o que havia sido combinado no início de novembro.

O distanciamento preventivo implica o uso obrigatório de máscaras, a distância de pelo menos dois metros entre os indivíduos, a proibição de espetáculos de massa e aglomerações de mais de dez pessoas em locais fechados, entre outras restrições. O uso de transporte público permanecerá restrito.

“A pandemia está longe de ter sido erradicada, não a superamos”, alertou o presidente, prevendo que “é bem possível que América Latina e Argentina tenham de enfrentar uma segunda onda no outono”, alertou em mensagem da sede do governo.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde registrou 7.846 casos novos e 275 óbitos nas últimas 24 horas. O número total de positivos chega a 1.407.264 e 38.216 pessoas morreram desde março.

“Estamos em negociações com a Pfizer, AstraZeneca e Oxford, que estariam à venda na Argentina em março. E estamos trabalhando a todo vapor com a Federação Russa, tentando ter a vacina do Sputnik para que entre janeiro e fevereiro possamos vacinar cerca de 10 milhões dos argentinos”, disse.

Para a campanha de vacinação serão necessários “cerca de 20.000 voluntários”.

O presidente estimou que “com muito esforço a Argentina pode vacinar entre 4,5 e 5 milhões de pessoas por mês”.

Fernández explicou que a vacina “será gratuita e não obrigatória”.

O presidente indicou que o número de internações em terapia intensiva continua em tendência de queda.

O número total de pacientes internados em unidades de terapia intensiva é de 4.120, uma ocupação de 56,2% em todo o país, informou o Ministério da Saúde.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.