Argentina acusa UE de querer politizar negociações com Mercosul

Comissário europeu afirmou que as medidas "protecionistas" adotadas pelo país são um dos principais obstáculos para um acordo entre o bloco e o Mercosul

São Paulo - A Argentina acusou nesta quinta-feira (14/04) o comissário europeu de Comércio, Karel de Gucht, de querer "politizar" as negociações de um acordo de associação comercial com o Mercosul e de tentar "dividir" os membros do maior bloco sul-americano. "De Gucht deveria refletir sobre suas declarações", disse ao secretário de Comércio e Relações Econômicas Internacionais da Chancelaria argentina, Luis María Kreckler.

O comissário afirmou nesta quinta-feira no Parlamento Europeu que as medidas "protecionistas" adotadas pela Argentina são um dos principais obstáculos para um acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul.

Em resposta, Kreckler declarou que o negociador europeu "deveria se dedicar mais a produzir resultados concretos nas negociações para conseguir um comércio com o Mercosul mutuamente benéfico e que garanta um equilíbrio na relação entre os blocos".

"As declarações de De Gucht não conferem otimismo ao processo de negociações e além disso violam o acordo de não confronto verbal", disse à Agência Efe o principal negociador comercial da Argentina.

"Evidentemente ele quer politizar o processo negociador e suas palavras demonstram sua intenção de dividir os membros do Mercosul enquanto a Europa até agora não conseguiu pactuar uma oferta homogênea, especialmente no setor agrícola", disse Kreckler.

De Gucht afirmou nesta quinta-feira que "as medidas protecionistas argentinas estão causando problemas" e "estão deixando um pouco nervosos" os exportadores europeus, especialmente no setor automotivo.

O comissário manifestou que essa circunstância "está estragando o clima" das negociações e advertiu que "se os argentinos não mudarem de atitude", a UE pode recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC).

A Argentina aumentou nos últimos meses o leque de produtos aos quais aplica licenças não automáticas para sua importação, medida que, segundo Buenos Aires, não descumpre as normas da OMC e busca proteger a sua indústria local.

No que diz respeito ao setor automotivo, o governo argentino estabeleceu que só será possível importar veículos pelo mesmo preço dos exportados da Argentina.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.