Mundo

Arábia Saudita intercepta mísseis direcionados à petrolífera Saudi Aramco

Ataque foi organizado pelo movimento Houthi, do Iêmen; não houve impacto na infraestrutura da empresa

Saudi Aramco: empresa é a maior petrolífera do mundo (Maxim Shemetov/Reuters)

Saudi Aramco: empresa é a maior petrolífera do mundo (Maxim Shemetov/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 5 de setembro de 2021 às 13h04.

A Arábia Saudita interceptou neste sábado, 4, um míssil balístico e drones armados disparados contra à Saudi Aramco, maior petrolífera do mundo. Duas crianças ficaram feridas pelo estilhaço da interceptação, disse o Ministério da Defesa.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME.

O movimento Houthi, que está em guerra contra uma coalizão liderada por Riad no Iêmen desde 2015, assumiu a responsabilidade pelo ataque, dizendo que tinha como alvo as instalações da gigante petrolífera em Ras Tanura. Oito drones armados e um míssil foram usados no atentado.

Os houthis também lançaram ataques a outras instalações de petróleo nas províncias de Jizan e Najran, no sul, disse Yahya Sarea, porta-voz das forças armadas do grupo.

A Saudi Aramco não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Uma fonte familiarizada com o assunto disse que não houve impacto na infraestrutura da empresa e que o ataque ocorreu fora de suas instalações.

Um míssil foi interceptado em um subúrbio de Dammam, com estilhaços espalhados que feriram duas crianças e causaram danos menores a 14 casas, disse o ministério saudita. Outros mísseis e drones foram interceptados em Jizan e Najran, acrescentou.

A região saudita, que abriga uma importante infraestrutura de petróleo, foi alvo de ataques aéreos anteriores, incluindo um contra duas fábricas da Saudi Aramco em setembro de 2019, que paralisou temporariamente metade da produção de petróleo do país.

A coalizão militar liderada pelos sauditas interveio no Iêmen depois que os houthis, alinhados com o Irã, derrubaram o governo do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi em 2014.

A guerra, que matou dezenas de milhares - a maioria civis - e desencadeou a pior crise humanitária do mundo, está paralisada há anos.

Acompanhe tudo sobre:Arábia SauditaPetróleoSaudi Aramco

Mais de Mundo

Trump pede 'união' dos americanos após atentado a tiros em comício eleitoral

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Trump se pronuncia após ser atingido na cabeça em comício na Pensilvânia

Biden se pronuncia sobre tiroteio no comício de Trump: "Estou grato em saber que ele está bem"

Mais na Exame