Americano libertado pela Coreia do Norte reconhece ter sido espião da CIA

O empresário e pastor protestante de 67 anos tirou fotos da Coreia do Norte com uma pequena câmera escondida em um relógio
Kim Dong Chul foi um dos três presos libertados em maio de 2018 (Cheriss May/Getty Images)
Kim Dong Chul foi um dos três presos libertados em maio de 2018 (Cheriss May/Getty Images)
Por AFPPublicado em 06/09/2019 16:20 | Última atualização em 06/09/2019 16:20Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Kim Dong Chul, americano condenado por Pyongyang e libertado em 2018, disse nesta sexta-feira que era um espião da CIA na Coreia do Norte, onde tirou fotos com uma pequena câmera escondida em um relógio.

O empresário de 67 anos e pastor protestante foi um dos três americanos libertados em maio de 2018 pelo regime norte-coreano, apesar de terem sido condenado por espionagem dois anos antes.

As autoridades norte-coreanas libertaram esses três prisioneiros antes da reunião histórica entre Donald Trump e Kim Jong Un.

Em entrevista à rede de televisão pública alemã NDR, transmitida no domingo, Kim Dong Chul confirmou que trabalhou como espião da CIA a partir de 2011.

"Após a morte de Kim Jong Il (em 2011), muitos rumores circularam sobre os possíveis sucessores e a evolução futura do país", explica Kim Dong Chul em um momento durante a entrevista, parcialmente transmitida à imprensa nesta sexta-feira.

Nesse contexto, a CIA decidiu recrutá-lo, desde que ele morava desde 2001 em Rason, uma zona econômica norte-coreana especial perto da fronteira com a China e a Rússia, e tinha uma permissão especial para viajar para o exterior e dentro do território norte-coreano.

Kim Dong Chul, cidadão americano, condenado a dez anos de prisão em um campo de trabalho, disse que tinha um relógio com o qual podia tirar fotos com grande discrição.

Além disso, ele alegou ter fotografado navios militares dos quais a CIA tinha apenas imagens de satélite.

Segundo a agência oficial norte-coreana KCNA, ele foi preso em outubro de 2015 no momento em que tentava obter um dispositivo USB que continha informações sobre o programa nuclear norte-coreano.