Alemanha tem queda histórica do PIB — EUA também deve anunciar recorde

Americanos devem registrar a maior contração da economia por trimestre desde a Segunda Guerra; Alemanha teve pior desempenho em meio século

Duas das maiores economias do mundo divulgam nesta quinta-feira (30) os dados do crescimento do PIB no segundo trimestre deste ano, e as notícias não vão ser nada boas. Tanto os Estados Unidos como a Alemanha deverão apresentar uma das piores contrações de suas economias em várias décadas, já que o período de abril a junho abarca o pico da pandemia e da paralisação das atividades nesses países.

Nos Estados Unidos, os economistas preveem uma queda de 33% a 34% do PIB no segundo trimestre, em taxa anualizada (ou seja, a taxa trimestral extrapolada para o ano). Seria a maior queda trimestral desde o fim da Segunda Guerra, quando o Departamento de Análises Econômicas (BEA) começou a compilar esse índice, e três vezes a pior taxa registrada no país até agora (queda de 10% em 1958). No primeiro trimestre deste ano, o PIB americano caiu 5%.

Na Alemanha, após uma queda de 2,2% no primeiro trimestre, a previsão era que o PIB caísse mais 11,9% no segundo trimestre. A queda foi até mais suave — 11,7%. Ainda assim, é a queda mais acentuada desde que o país começou a fazer cálculos trimestrais do PIB, em 1970. É também mais que o dobro da contração da economia registrada no primeiro trimestre de 2009, durante a crise financeira global.

Para conter o avanço do coronavírus, a Alemanha decretou o lockdown no dia 22 de março, quando o número de novos casos de covid-19 se aproximava de 7.000 por dia. Com a estabilização da pandemia, o país começou a reabrir sua economia gradualmente em 20 de abril. Nos últimos dias, o coronavírus voltou a preocupar o país – ontem, foram registrados 860 novos casos e 5 óbitos.

De maneira geral, a flexibilização da economia deve garantir um segundo semestre um pouco melhor, mas não o suficiente para salvar o ano. A previsão do Fundo Monetário Internacional é que o PIB alemão tenha uma redução de 7,8% neste ano e se recupere em 2021, quando está projetado uma expansão de 5,4%.

Para os Estados Unidos, o FMI prevê uma contração de 8% neste ano e um crescimento de 4,5% em 2021. No entanto, com o coronavírus ainda causando muitas vítimas (ontem, foram registrados quase 63.000 novos casos e 1.300 óbitos no país), mais empresas estão sendo forçadas a recuar em seus planos de reabertura. No Congresso, republicanos e democratas não chegam a um acordo sobre uma nova ajuda do governo aos desempregados, o que pode piorar a situação da economia nos próximos meses.

Nesta quinta-feira, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos vai divulgar o número de pessoas que entraram com pedido de seguro desemprego na semana que se encerrou em 25 de julho. A previsão é que 1,4 milhão de americanos requereram o seguro desemprego nesse período, elevando para mais de 54 milhões o número de desempregados que solicitaram o benefício desde meados de março.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE