• AALR3 R$ 20,24 -0.30
  • AAPL34 R$ 67,79 0.64
  • ABCB4 R$ 16,61 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.50
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,07 -0.13
  • ALPA4 R$ 21,30 2.26
  • ALSO3 R$ 19,03 0.11
  • ALUP11 R$ 27,06 -0.92
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,24 3.10
  • AMER3 R$ 21,93 -4.15
  • AMZO34 R$ 65,59 2.85
  • ANIM3 R$ 5,46 1.87
  • ARZZ3 R$ 79,62 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,72 -1.13
  • AZUL4 R$ 20,10 -2.85
  • B3SA3 R$ 11,87 -1.25
  • BBAS3 R$ 37,59 -0.56
  • AALR3 R$ 20,24 -0.30
  • AAPL34 R$ 67,79 0.64
  • ABCB4 R$ 16,61 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.50
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,07 -0.13
  • ALPA4 R$ 21,30 2.26
  • ALSO3 R$ 19,03 0.11
  • ALUP11 R$ 27,06 -0.92
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,24 3.10
  • AMER3 R$ 21,93 -4.15
  • AMZO34 R$ 65,59 2.85
  • ANIM3 R$ 5,46 1.87
  • ARZZ3 R$ 79,62 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,72 -1.13
  • AZUL4 R$ 20,10 -2.85
  • B3SA3 R$ 11,87 -1.25
  • BBAS3 R$ 37,59 -0.56
Abra sua conta no BTG

Agricultores italianos se opõem a acordo UE-Mercosul, diz ministro

O ministro italiano da Agricultura acredita que o governo vai se opor ao acordo, que é como uma "arma apontada para a cabeça" do setor, disse
Agronegócio: Setor é ponto sensível do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia (Reuters/Eduard Korniyenko)
Agronegócio: Setor é ponto sensível do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia (Reuters/Eduard Korniyenko)
Por Francesco Guarascio, da ReutersPublicado em 15/07/2019 11:52 | Última atualização em 15/07/2019 11:52Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Bruxelas — O setor agrícola italiano se opõe fortemente ao acordo comercial que a Comissão Europeia fez com o grupo de países sul-americanos do Mercosul em junho, disse o ministro italiano da Agricultura, Gian Marco Centinaio, nesta segunda-feira.

"Expressamos uma forte preocupação", disse Centinaio a repórteres em Bruxelas.

Ele afirmou acreditar que o governo italiano vai se opor ao acordo, que exige o voto da maioria dos países da UE para ser aprovado.

Ele disse que o acordo é como uma "arma apontada para a cabeça" do setor agrícola italiano, já que não oferece garantias.

"Haverá uma invasão de produtos", disse Centinaio, que é um aliado próximo do vice-primeiro-ministro de extrema-direita, Matteo Salvini.