Mundo

Agência americana investiga titânio falso em aeronaves da Airbus e Boeing

Material, comprado de empresa chinesa, foi vendido com documentos falsificados e usado em peças de aviões dos dois fabricantes

Titânio falso foi encontrado em componentes de aeronaves da Airbus e Boeing. (Fabian Sommer/Getty Images)

Titânio falso foi encontrado em componentes de aeronaves da Airbus e Boeing. (Fabian Sommer/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 14 de junho de 2024 às 10h41.

A indústria da aviação enfrenta um desafio preocupante com a descoberta de titânio falsificado em componentes de aeronaves Boeing e Airbus fabricadas entre 2019 e 2023. A investigação em andamento, liderada pela Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA), revela a gravidade da situação e levanta sérias dúvidas sobre a segurança de milhares de aeronaves em operação. A reportagem é do The New York Times.

O problema foi identificado pela Spirit AeroSystems, importante fornecedora de fuselagens para Boeing e asas para Airbus, durante uma inspeção de rotina. Ao detectar buracos no material devido à corrosão, a empresa deu início a uma investigação que revelou a utilização de titânio falsificado em diversos componentes. A falsificação foi possível através da documentação fraudulenta que acompanhava o material, atestando sua autenticidade e qualidade para uso aeronáutico.

Diante da gravidade da situação, a FAA mobilizou suas equipes para investigar a fundo a extensão do problema e determinar as implicações de segurança para as aeronaves afetadas. A Boeing, por sua vez, emitiu um alerta urgente aos seus fornecedores, alertando-os sobre a possibilidade de registros falsificados em sua cadeia de suprimentos.

Componentes críticos

A Spirit AeroSystems, epicentro da crise, trabalha para identificar a origem do titânio falsificado, verificar se ele atende aos padrões mínimos de qualidade exigidos para a indústria aeronáutica e determinar se as peças fabricadas com o material defeituoso representam um risco à segurança dos voos.

As peças afetadas pelo titânio falsificado incluem componentes críticos para a operação das aeronaves, como portas de entrada de passageiros, portas de carga, escudos térmicos e componentes que conectam os motores à estrutura do avião. A empresa ainda não possui um panorama completo da quantidade de aeronaves afetadas, mas já iniciou um processo de monitoramento rigoroso e está em contato com as companhias aéreas para avaliar as medidas necessárias em cada caso.

Até o momento, os testes realizados pela Spirit não indicaram falhas imediatas nos materiais falsificados. No entanto, a investigação ainda está em andamento e novos testes serão realizados para garantir a segurança das aeronaves. A empresa ressalta que a prioridade absoluta é garantir a segurança dos passageiros e tripulações, e que todas as medidas cabíveis serão tomadas para solucionar o problema o mais rápido possível.

A Spirit está trabalhando com seus clientes para identificar os aviões afetados. Aeronaves já em serviço serão monitoradas pelas companhias aéreas e retiradas de serviço mais cedo do que o normal, se necessário. Mais provavelmente, as peças afetadas serão removidas durante as verificações de manutenção de rotina, independentemente de o titânio ser aprovado nos testes.

Acompanhe tudo sobre:BoeingAirbusAviaçãoEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Rivais desistem, e Kamala Harris tem caminho livre para garantir candidatura presidencial

Kamala Harris será candidata? Veja as 3 questões que vão definir isso

Eleições Venezuela: cinco pontos importantes para entender o contexto econômico e político do país

Eleições da Venezuela acontecem no domingo, em meio a ameaças e esperança de mudança

Mais na Exame