A Venezuela em seu labirinto: Guaidó completa dez dias como “interino”

Líder da oposição, agora reconhecido pela Europa, tenta manter viva a pressão sobre o presidente de facto do país

Uma nova semana chega ao fim com Nicolás Maduro se mantendo firme no cargo de presidente de facto da Venezuela, apesar da crescente pressão internacional.

Ontem, o Parlamento Europeu reconheceu o líder opositor Juan Guaidó como presidente interino legítimo da Venezuela. A decisão veio após Maduro anunciar  que não convocará novas eleições, como havia sido solicitado pelo Parlamento Europeu. O chavista sinalizou estar disposto apenas a convocar uma eleição legislativa. O bloco europeu anunciou ainda que doará 50 milhões de euros em ajuda à Venezuela e a países da região.

Parlamentares europeus, num movimento liderado pela Espanha, pediram a todos os países membros do bloco que reconheçam Guaidó individualmente. Mas a Itália já afirmou que não concorda em ingerir em assuntos internos de outro país.

Ainda assim, John Bolton, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, comemorou a decisão europeia e desejou a Maduro uma aposentadoria em uma praia tranquila bem longe da Venezuela “o mais rápido possível”.

O caminho para conseguir o fim da era Maduro tem tomado a agenda de negociadores dentro e fora da Venezuela. O presidente mantém sua força graças a uma intrincada rede de apoio militar que envolve até autorizações para contrabando de gasolina, comida e drogas, segundo relatos de opositores e jornalistas.

Nos últimos dias, Maduro aumentou a distribuição de comida e intensificou a repressão, prendendo cinco jornalistas estrangeiros — dois franceses, dois colombianos e um espanhol. Eles foram libertados ontem.

Nesta quinta-feira, o vice-presidente brasileiro, general Hamilton Mourão, afirmou que a questão venezuelana só será resolvida quando “as Forças Armadas se derem conta de que não dá para continuar como está”. Mourão disse que os militares venezuelanos estão entendendo que “chegaram a um limite”, e deveriam oferecer uma saída para Maduro.

A ironia de Bolton e o pragmatismo de Mourão apontam na mesma direção. Mas o tempo vai passando: hoje completa dez dias que Guaidó se declarou presidente interino do país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.