• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.750,70 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Por que é hora de pechinchar o reajuste do seu aluguel

Seu contrato de aluguel prevê um reajuste anual pelo IGP-M, mas com os preços dos imóveis para alugar em queda no mercado, é momento para pechinchar

São Paulo - Os preços dos imóveis para alugar estão em queda livre, mas o contrato do seu aluguel segue firme com aquela cláusula que prevê um reajuste anual pelo IGP-M. Não faz sentido pagar mais caro se está fácil encontrar um imóvel mais barato pela vizinhança, certo?

É por isso que, no mês previsto para o aumento acontecer, é hora de tentar negociar a correção com o proprietário. “É razoável manter o preço exatamente como está, sem reajuste”, avalia o economista Bruno Oliva, pesquisador do Índice FipeZap, que acompanha os preços dos imóveis no Brasil.

Esse índice mostrou que o preço do aluguel caiu mais de 3% no ano passado, e que a queda real foi de 9%, se levado em conta o aumento generalizado dos preços, medido pelo índice de inflação IPCA.

Para este ano, a expectativa dos especialistas é que os preços de locação continuem em queda real, ou seja, vai ficar proporcionalmente mais barato alugar imóvel do que comprar outros bens da economia.

Apesar dessa queda, o índice tradicionalmente usado para correção dos aluguéis, o IGP-M, aumentou 7% em 2016. Mas por que esse índice está tão descolado da realidade?

Chamado de Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), esse é um indicador respeitado, calculado todo mês pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Porém, para chegar a essa taxa, os pesquisadores levam em conta preços da indústria, da construção civil e até da agricultura, menos do mercado imobiliário.

“O IGP-M mede um monte de preços da economia, mas é completamente descolado do mercado de locação. Ele é usado só por tradição”, explica Oliva.

Mas você não precisa explicar tudo isso ao proprietário do imóvel na hora de negociar seu reajuste. Basta ter uma conversa amigável e usar algumas técnicas de negociação.

Como negociar com o proprietário

Mesmo com o reajuste anual do aluguel previsto no contrato, nada impede que o locatário e o proprietário entrem em um acordo para que a correção não aconteça, como explica o consultor jurídico da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH), Vinícius Costa.

No entanto, Costa recomenda que o locatário só tente a pechincha depois de receber o aviso de reajuste, no prazo previsto no contrato. “Se o locatário tem um histórico de bom pagador, é interessante para o proprietário renovar o contrato. Imóvel parado é prejuízo para o locador”, pondera.

Procure a imobiliária para intermediar essa negociação. Mas se preferir negociar direto com o proprietário, opte por uma conversa informal e exponha seus motivos pessoais, explicando que o reajuste irá pesar no orçamento.

Fazer ameaças de que você sairá do imóvel se o reajuste acontecer não é o melhor caminho, segundo o especialista em negociações José Roberto Valle, presidente da consultoria Scotwork Brasil. Ele também sugere ter uma carta na manga para ir mais a fundo na negociação, se necessário, como sugerir fazer uma melhoria no apartamento, por exemplo.

Também é válido se comprometer em continuar pagando o aluguel em dia. Outra dica é expor um exemplo concreto de preço menor praticado em um apartamento de padrão semelhante no mesmo prédio ou bairro, para servir de referência.

Fechada a negociação, o ideal é que locatário e proprietário façam um adendo no contrato, por meio de um termo aditivo, informando formalmente que o reajuste só acontecerá no próximo ano.

A imobiliária pode ajudar nessa tarefa, segundo o advogado Paulo Roque Khouri, especialista nas áreas de contrato e direito do consumidor. Se não, uma simples de troca de e-mails já serve como prova de que a negociação ocorreu.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.