• BVSP 120.061,99 pts -0,7%
  • USD R$ 5,5692 +0,0000
  • EUR R$ 6,7003 -0,0014
  • ABEV3 R$ 15,7 -0,19%
  • BBAS3 R$ 30,12 +1,69%
  • BBDC4 R$ 23,26 -1,52%
  • BRFS3 R$ 23,9 +0,13%
  • BRKM3 R$ 51,9 -1,69%
  • BRML3 R$ 9,82 +0,00%
  • BTOW3 R$ 65,89 -2,53%
  • CSAN3 R$ 92,46 +2,80%
  • ELET3 R$ 35,4 +1,03%
  • EMBR3 R$ 15,08 -2,27%
  • Petróleo US$ 65,32 -1,49%
  • Ouro US$ 1.793,30 +0,79%
  • Prata US$ 26,58 +2,72%
  • Platina US$ 1.216,60 +2,28%

Inadimplência sobe e atinge 63,4 milhões de brasileiros, diz SPC

Número equivale a 41% da população adulta e a um aumento de 4,3% em relação a julho de 2017

PSão Paulo - O número de brasileiros com alguma conta em atraso chegou a 63,4 milhões no mês passado, o que equivale a 41% da população adulta e a um aumento de 4,3% em relação a julho de 2017. Levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostra que mais da metade dos inadimplentes (51%) tem entre 30 e 49 anos.

A avaliação é que essa faixa etária representa para muitos o momento de construção da vida pessoal e profissional, o que leva a desequilíbrios de orçamento. "Isso implica assumir diversos compromissos financeiros e, com as dificuldades que a crise ainda gera, a conta nem sempre fecha no final mês, levando à inadimplência", comenta o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

O balanço leva em consideração desde dívidas bancárias - como faturas atrasadas de cartão de crédito e empréstimos bancários não pagos - a crediários abertos no comércio e dívidas com empresas que prestam serviços de telefonia, TV por assinatura e internet.

Em julho, o volume de dívidas em nome de pessoas físicas - em média, cada inadimplente possui duas contas em atraso - subiu 1,5% frente ao mesmo mês de 2017. O maior aumento da inadimplência, de 7,7%, se deu nas contas de serviços básicos, como água e luz. Na sequência, com alta de 6,9%, aparecem as dívidas bancárias, incluindo cartão de crédito, cheque especial, empréstimos, financiamentos e seguros.

"O desemprego elevado e a renda achatada dos brasileiros seguem contribuindo para esse avanço no quadro de inadimplência. Ainda que o País tenha superado a recessão, a recuperação da economia continua mais lenta do que o previsto, agravada pelo clima de incertezas das eleições que se aproximam", avalia o presidente da CNDL, José Cesar da Costa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.