• BVSP 118.811,74 pts +1,0%
  • USD R$ 5,7337 +0,0000
  • EUR R$ 6,8232 -0,0072
  • ABEV3 R$ 15,57 +1,37%
  • BBAS3 R$ 29,49 +1,03%
  • BBDC4 R$ 25,63 +1,71%
  • BRFS3 R$ 24,48 +2,00%
  • BRKM3 R$ 46,83 +7,98%
  • BRML3 R$ 9,82 -1,21%
  • BTOW3 R$ 63,1 +0,73%
  • CSAN3 R$ 89,85 +0,74%
  • ELET3 R$ 34,76 -1,95%
  • EMBR3 R$ 16 +0,25%
  • Petróleo US$ 63,85 +1,04%
  • Ouro US$ 1.726,70 -0,34%
  • Prata US$ 24,99 +0,62%
  • Platina US$ 1.174,00 -0,08%

Financiei um imóvel, mas minha renda diminuiu muito. O que faço?

Especialista responde dúvida de leitor sobre financiamentos. Envie você também suas perguntas

Pergunta do leitor: Tenho um imóvel financiado pela Caixa Econômica Federal em 300 prestações em sistema SAC. O problema é que fui demitido em 2015 e minha renda caiu pela metade. Ainda estou em dia com a prestação, mas está difícil continuar, uma vez que ela compromete 50% da minha renda atual. Quais são as alternativas que tenho?

Resposta de Marcelo Prata*

Sua situação, infelizmente, é mais comum do que você possa imaginar. Vale tecer um elogio ao fato de você buscar uma saída antes de ficar inadimplente, isso faz toda a diferença para conseguir resolver a situação.

Uma das alternativas é procurar a Caixa para saber se eles oferecem alguma linha de renegociação do seu financiamento, que permita aumentar o prazo de pagamento, o que pode diminuir o valor das prestações mensais. O problema é que, se você tiver pago poucas parcelas, mesmo alongando o prazo, a diferença de valor será pequena.

Outra opção, caso no emprego atual já tenha acumulado um saldo na sua conta de FGTS, é utilizá-lo para diminuir o valor das prestações.

Você pode fazer isso de duas formas: a primeira é amortizar o saldo devedor do financiamento e, ao fazer isso, manter o mesmo prazo de pagamento, o que fará as parcelas diminuírem de valor. A segunda é utilizar o FGTS para pagar até 80% do valor das prestações, por até 12 meses. Isso criará uma folga no seu orçamento, mas é importante lembrar que, caso venha a ser demitido novamente, não poderá contar com esse dinheiro.

Por último, existe uma opção mais drástica mas que pode ser a melhor, a venda do imóvel. Apesar de parecer uma medida exagerada, ela pode dar a tranquilidade necessária para que você tenha tempo de se reorganizar financeiramente.

Com o atual cenário econômico isso talvez signifique ter que vender o imóvel abaixo do valor de mercado, ainda assim, você quitaria o financiamento e ficaria com algum dinheiro em mãos.

Às vezes é melhor dar um passo atrás para dar dois adiante. Perder o emprego é algo que todos estão sujeitos e não há nada de errado em adiar o plano da compra do imóvel para o futuro.

Muitas pessoas passam por grande estresse pessoal, familiar, privação financeira e, em casos extremos, até pela perda do imóvel, por simplesmente não terem conseguido tomar as medidas necessárias antes que a situação ficasse insustentável.

*Marcelo Prata é especialista em crédito imobiliário e fundador dos sites Canal do Crédito e Resale.com.br

Envie suas dúvidas sobre financiamento de imóveis para seudinheiro_exame@abril.com.br ou confira os conteúdos já publicados sobre esse e outros temas na seção Financiamento de imóveis.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.