Este investimento é quase um CDB – mas pode render mais

Pouco conhecidos, os RDBs podem pagar mais que os CDBs se o investidor tiver paciência para deixar o dinheiro render. Conheça esse investimento

São Paulo - Um investimento bem pouco conhecido no Brasil é quase um CDB – aplicação popular vendida pelos bancos que concorre com a poupança –, mas pode oferecer rentabilidade maior a quem não tem pressa para resgatar o dinheiro.

Chamado de Recibo de Depósito Bancário (RDB), esse investimento é uma alternativa de renda fixa, quando você consegue prever a forma de remuneração no momento da aplicação. Ou seja, é do mesmo grupo que títulos públicos, CDBs e outros investimentos de baixo risco, que podem render mais que a poupança.

Tanto ao investir em CDBs quanto em RDBs, você empresta dinheiro à instituição financeira e é remunerado por isso. A diferença é que os RDBs são oferecidos por financeiras – instituições menores que os bancos que fazem operações de crédito –, enquanto os CDBs são emitidos por bancos.

Assim como os CDBs, a maioria dos RDBs paga uma taxa de retorno indexada à taxa DI, também conhecida como CDI. Isso significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, muito próxima à Selic, atualmente em 9,25% ao ano.

Se esse percentual for maior que 100%, significa que você vai receber um retorno maior que a Selic, taxa referência na economia. É mais fácil conseguir boas rentabilidades em instituições financeiras menores, fora dos grandes bancos. Assim, as financeiras oferecem RDBs com taxas maiores para ter mais poder competitivo e atrair investidores.

É possível encontrar RDBs no mercado que pagam até 126,5% do CDI, se o investidor deixar o dinheiro aplicado até a data de vencimento, segundo o buscador de investimentos Yubb. Já os CDBs pagam, no máximo, 119,5% do CDI, de acordo com a plataforma.

Mas é seguro aplicar em RDBs? O risco é o mesmo de um CDB. Se a financeira quebrar, o Banco Central determina que o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) cubra até 250 mil reais por CPF e instituição financeira.

“Em geral, enxergamos os investimentos das financeiras como mais arriscados, pelo risco maior da instituição quebrar. Mas há financeiras sólidas e cabe ao investidor decidir se preza por mais segurança ou por mais retorno”, orienta a economista Juliana Inhasz, professora da graduação do Insper.

O porém dos RDBs é que a maioria não têm liquidez diária, ou seja, o investidor tem que esperar até a data do vencimento do título para resgatar o seu dinheiro com rentabilidade.

“O investidor brasileiro preza pela segurança dos grandes bancos e quer poder resgatar o dinheiro a qualquer momento. É por isso que os RDBs são muito pouco conhecidos no mercado”, explica Juliana.

Assim, os RDBs podem ser uma boa opção para diversificar os seus investimentos e tentar ganhar algum retorno a mais, mas você não deve aplicar todo o seu dinheiro somente nesse investimento. Eles são indicados para quem já tem uma reserva investida em uma aplicação de liquidez diária, como títulos públicos ou CDBs.

Outro detalhe é que você não pode transferir esse investimento para o nome de outra pessoa depois que comprou o título.

As aplicações iniciais em RDBs partem de 1.000 reais, mas para conseguir os melhores retornos, é preciso aplicar a partir de 10 mil reais.

Vale lembrar que, assim como os CDBs, os RDBs não têm taxa de administração, mas sofrem tributação de Imposto de Renda sobre o valor resgatado, que varia conforme o período da aplicação. Em até seis meses, o imposto é o maior possível, de 22,5%. A partir de dois anos, é o menor possível, de 15%.

Onde investir?

Há pouca quantidade de RDBs em estoque no mercado em comparação a CDBs, por isso, você pode ter dificuldade para encontrá-los.

Pensando nisso, desde 2015, a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) disponibiliza o site Poupa Brasil Investimentos.

“Muita gente não conhece RDBs. Nosso objetivo foi criar um site para chegar ao público e desmistificar receios sobre a segurança desse investimento”, explica o CEO da plataforma, Cláudio Ferro.

O site permite investir online em RDBs de nove financeiras, mas o investidor não escolhe a instituição que vai aplicar. A rentabilidade é a mesma em todas as financeiras e varia conforme o prazo do investimento. A taxa parte de 105% do CDI, para quem deixar o dinheiro render por seis meses, e chega a 116% do CDI, para um prazo de quatro anos.

No site, é possível resgatar o dinheiro investido a qualquer momento, mas quem saca os recursos antes do vencimento perde rentabilidade. Os investidores que resgatam o dinheiro antes da data de vencimento recebem 90% do CDI de retorno.

Também é possível investir em RDBs por meio de corretoras de valores ou diretamente nas financeiras.

A pedido de EXAME.com, o buscador de investimentos Yubb realizou um levantamento das financeiras que ofereceram RDBs com as melhores rentabilidades em agosto. Confira o ranking completo:

Vencimento em 8 anos

Financeira Rentabilidade Investimento mínimo
Avista Financeira 126,5% do CDI R$ 10 mil

Vencimento em 4 anos

Financeira Rentabilidade Investimento mínimo
Avista Financeira 126,5% do CDI R$ 10 mil
Dacasa Financeira 121% do CDI R$ 20 mil
Poupa Brasil 116% do CDI R$ 10 mil

Vencimento em 2 anos

Financeira Rentabilidade Investimento mínimo
Avista Financeira 119,5% do CDI R$ 10 mil
Dacasa Financeira 119% do CDI R$ 20 mil
Omni Financeira 116% do CDI R$ 10 mil

Vencimento em 1 ano

Financeira Rentabilidade Investimento mínimo
Omni Financeira 113% do CDI R$ 10 mil
Poupa Brasil 110% do CDI R$ 10 mil
Omni Financeira 105% do CDI R$ 5 mil

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.