Com renda fixa em baixa, comprar imóvel começa a se tornar vantagem

Conta que ajuda a decidir considera quanto renderia o montante que será usado na compra e comparar com o valor de locação de um imóvel correspondente

Comprar ou alugar um imóvel é um dilema clássico. Mas como decidir? A resposta está na calculadora. É preciso considerar quanto renderia o montante que será usado na compra e comparar com o valor de locação de um imóvel correspondente. Por muito tempo, a balança pendeu para o aluguel.

Com a queda dos juros, a situação se inverteu. "Antigamente, o retorno da renda fixa era superior à taxa de aluguel, de cerca de 0,5% do valor do imóvel" afirma Miguel Oliveira, diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac). "Hoje, o rendimento líquido da renda fixa está abaixo de 0,30% ao mês. Alugar não compensa."

Outra razão que favorece a compra é que, com a crise econômica, muitas famílias e empresas estão colocando imóveis à venda, o que provoca a queda dos preços. Isso traz boas oportunidades para quem aguarda o momento de comprar a casa própria, sobretudo se puder pagar à vista e tiver disposição para negociar. Se for preciso financiar, porém, o consumidor terá dificuldades na aprovação de crédito.

Investimento

Os preços mais baixos também podem trazer bons negócios ao investidor que tem um caixa disponível e pode fazer a compra sem comprometer a liquidez da carteira. "Em três anos, com a futura recuperação da economia, ele poderá revender o imóvel pelo preço de mercado e obter um retorno que a renda fixa jamais daria a ele no período", afirma Ricardo Rocha, professor de finanças do Insper.

Para quem não tem tanto dinheiro guardado, porém, o imóvel é um investimento temerário. Com a crise, o comprador corre o risco de não encontrar um locatário, ou até ter um inquilino inadimplente. "Se não conseguir alugar, ele terá de pagar condomínio e IPTU e ainda ficará sem receita", diz Oliveira. "A renda fixa paga pouco, mas paga."

Qualquer que seja a finalidade do imóvel, a decisão de compra só deve ser considerada se não for comprometer as reservas financeiras. Como o alcance da pandemia do coronavírus é incerto mesmo quem se sente seguro no próprio emprego pode ter uma surpresa ruim, caso a crise se agrave. "Com o coronavírus, o risco de fazer uma transação imobiliária se amplia, para cima ou para baixo. Você pode fazer um negócio ótimo ou terrível: só o tempo dirá", diz Jaques Cohen, planejador financeiro da Planejar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.