Vigor não descarta emitir debêntures para reduzir dívida

Em setembro, companhia que pertence ao grupo JBS acumulava dívida de R$ 134,9 milhões

São Paulo – O diretor de Finanças e de Relações com Investidores da Vigor, Mauricio Hasson, disse que uma emissão de título de dívida no mercado brasileiro é uma das alternativas no ano que vem para diminuir sua exposição no curto prazo. Ao final de setembro, a empresa do Grupo JBS tinha um endividamento bruto de R$ 134,9 milhões, sendo R$ 95,2 milhões com vencimento no curto prazo.

“Fizemos o pré-pagamento de notes de US$ 100 milhões com parte do nosso caixa e de linhas locais de financiamento. Por isso nossa dívida ficou alta no terceiro trimestre. O que estamos fazendo é refinanciar essas linhas com outras de prazos mais longos”, explicou o executivo nesta quarta-feira após reunião com analistas, investidores e a imprensa, na sede da companhia.

“No quarto trimestre já poderemos sentir a diminuição da exposição. Mas faz todo sentido emitirmos títulos de dívida locais, como debêntures, já que nossa receita é em reais, para ajudar nesse processo”, enfatizou.

Liquidez

Já o presidente da Vigor, Gilberto Xandó, reiterou que as ações em bolsa precisam ganhar maior liquidez para que a empresa seja corretamente precificada pelo mercado. Para tanto, a empresa aguarda que a JBS venda a sua participação remanescente de 21,3% em forma de uma oferta pública primária e secundária de ações.

“Na época da Oferta Pública Voluntária de Ações (OPA) estava prevista a venda dessas ações em um prazo de dois a três anos. Qual será a janela, ou seja, quando será isso, não sabemos. Mas estamos de olho”, disse. “O mercado já enxerga a Vigor como uma empresa independente da JBS e com potencial de crescimento. O que falta é a liquidez dos nossos papéis”, completou o executivo.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.