Tweets de Trump voltam a derrubar bolsas globais

Instantes após presidente americano postar mensagens agressivas contra China e presidente do Fed, índices tiveram fortes quedas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mais uma vez conseguiu causar pânico no mercado financeiro com suas postagens no Twitter. Nesta sexta-feira (23), após a China ter anunciado planos para impor 75 bilhões de dólares em tarifas sobre produtos americanos e o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, não ter indicado que voltará a cortar os juros, Trump usou a mídia social para atacá-los.

Em sua conta no Twitter, o presidente americano disse que a China roubou trilhões de dólares dos norte-americanos por décadas e que ele responderia às tarifas chinesas na tarde desta sexta-feira. Trump também culpou o Federal Reserve por “fazer NADA”. “Minha única questão é: quem é o nosso maior inimigo, Jay Powell ou Chairman Xi”, tweetou Trump, em referência ao presidente do Fed e ao presidente da China, Xi Jinping.

As postagens fizeram com que índices acionários do mundo todo caíssem quase que instantaneamente. Antes dos tweets, a bolsa de Londres vinha de alta e estava a minutos do fim do pregão. Logo após as postagens, o FTSE, o principal índice da casa, entrou em queda vertiginosa e fechou em baixa de 0,47%.

Índice da bolsa de Londres vinha subindo antes de tweets de Trump

Índice da bolsa de Londres vinha subindo antes de tweets de Trump (TradingView/Divulgação)

Nos Estados Unidos, onde as bolsas ainda estavam longe do horário de fechamento, o movimento de baixa persistiu por mais tempo. O índice Dow Jones vinha subindo até Trump pegar seu smartphone para fazer postagens. Dez minutos após os tweets, o índice já perdia cerca de 333 pontos. O declive persistiu por horas. O índice fechou com 623 pontos a menos em relação ao dia anterior anterior, baixa de 2,37%.

Índice Dow Jones perdeu cerca de 333 pontos logo após tweets de Donald Trump

Índice Dow Jones perdeu cerca de 333 pontos logo após tweets de Donald Trump (TradingView/Divulgação)

Com a repercussão da queda dos índices acionários após suas postagens, Trump voltou a pegar o celular, agora para provocar o mercado financeiro e líderes democratas. “O Dow [Jones] está em queda de 573 pontos talvez devido às notícias de que o deputado Seth Moulton, quem quer que ele seja, caiu fora da corrida presidencial de 2020”, tweetou.

No Brasil, o Ibovespa também sentiu os impactos dos comentários de Trump na rede social.  O principal índice da bolsa paulista caiu 1.658 pontos entre as 11:55 e as 12:10. Assim como nos índices americanos, a baixa persistiu ao longo do dia e o Ibovespa fechou em queda de 2,34% a 97.667,49 pontos – recuo de 2.343 pontos.

Ibovespa chegou a perder mais de 1.500 pontos logo após postagens de Trump

Ibovespa chegou a perder mais de 1.500 pontos logo após postagens de Trump (TradingView/Internet)

Apesar das quedas globais, o descompasso de Trump fez um índice ter forte alta, o índice de volatilidade VIX. Também conhecido como índice do medo, ele costuma subir em tempos de incertezas sobre o futuro da economia. Instantes depois das postagens, o VIX saltou de 16,54 pontos para 19,25 pontos – e continuou subindo, chegando a 21,01 pontos. Para analistas, o VIX acima dos 20 pontos é um sinal de alta imprevisibilidade. No final do dia, ele recuou e fechou a 19,87 pontos.

Índice Vix dispara após postagens de Trump sobre China e Powell

Índice Vix dispara após postagens de Trump sobre China e Powell (TradingView/Divulgação)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.