• BVSP 121.113,93 pts +0,3%
  • USD R$ 5,5873 -0,0013
  • EUR R$ 6,7334 +0,0370
  • ABEV3 R$ 15,85 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,75 +0,37%
  • BBDC4 R$ 26,17 +1,43%
  • BRFS3 R$ 23,62 -2,80%
  • BRKM3 R$ 50,09 +3,24%
  • BRML3 R$ 9,8 +0,20%
  • BTOW3 R$ 68,22 +0,04%
  • CSAN3 R$ 90,81 -0,27%
  • ELET3 R$ 35,46 +3,68%
  • EMBR3 R$ 15,81 -0,94%
  • Petróleo US$ 66,77 +0,00%
  • Ouro US$ 1.786,30 +0,00%
  • Prata US$ 26,32 +0,00%
  • Platina US$ 1.208,10 +0,00%

Risco fiscal afeta preços de ativos em agosto e interrompe recuperação

Ibovespa tem queda de 0,75% no mês, depois de quatro meses de alta; Títulos de longo prazo do Tesouro Direto também têm perdas

O aumento das incertezas político-econômicas se refletiu na rentabilidade de algumas das principais classes de ativos em agosto.

A um dia do fim do mês, o Ibovespa está praticamento no zero a zero, com uma queda acumulada de 0,75%, aos 102.142 pontos. Se não anular a perda nesta segunda-feira, 31, vai interromper a sequência de quatro meses de recuperação depois do fundo do poço causado pela pandemia do novo coronavírus. No período, o principal índice da B3 acumulou valorização de quase 40%.

O desempenho mais fraco da bolsa se reflete em muitas categorias de fundos de ações, como os que reúnem empresas pagadoras de dividendos. A rentabilidade média no mês é negativa em 1,39%, segundo dados da Anbima até a última sexta, 28.

Inicialmente a debandada de membros da equipe econômica, com a saída dos secretários Salim Mattar (Desestatização) e Paulo Uebel (Desburocratização), e, nos últimos dias, declarações do presidente Jair Bolsonaro relativizando o respeito ao Teto dos Gastos ampliaram a percepção de risco da economia brasileira, com reflexos sobre as ações, o câmbio e os juros.

Foi um mês em que o Ibovespa ficou estacionado no patamar ao redor dos 100 mil pontos, descolando da sequência de recordes dos índices americanos. O S&P 500 subiu 7,24% desde o fim de julho e quebrou no último dia 18 de agosto o recorde histórico que havia sido alcançado seis meses atrás, antes do início da pandemia fora da China e, em particular, nos Estados Unidos.

Já o Nasdaq Composite acumula alta de 8,84% no mês, tendo batido 12 recordes de fechamento no período.

Na renda fixa, os títulos do Tesouro Direto com prazos mais longos voltam a registrar rendimento mensal negativo diante do aumento das incertezas, assim como já havia acontecido nos meses mais agudos da crise. O IPCA+ com vencimento em 2035, por exemplo, apresenta queda de 3,05% nos 30 dias até a sexta-feira passada, 28.

O CDI, que serve ainda como referência para a renda fixa, teve variação de 0,15% no mês até a sexta.

Já o dólar voltou a se valorizar: depois de encerrar julho negociado a 5,2185 reais, chegou a superar a marca de 5,60 reais antes de ceder quase 3% na sexta-feira em decorrência principalmente do cenário externo e recuar para 5,4156 reais. Ainda assim, acumula valorização de 3,8% no mês.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.