• BVSP 121.370,48 pts +0,2%
  • USD R$ 5,5565 -0,0321
  • EUR R$ 6,6889 -0,0075
  • ABEV3 R$ 15,78 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,68 -0,30%
  • BBDC4 R$ 23,56 -0,70%
  • BRFS3 R$ 23,91 +1,36%
  • BRKM3 R$ 52,39 +4,82%
  • BRML3 R$ 9,99 +2,04%
  • BTOW3 R$ 67,83 -0,54%
  • CSAN3 R$ 90,4 -0,44%
  • ELET3 R$ 35,26 -0,82%
  • EMBR3 R$ 15,54 -1,71%
  • Petróleo US$ 67,04 +0,40%
  • Ouro US$ 1.770,50 -0,54%
  • Prata US$ 25,86 -0,94%
  • Platina US$ 1.209,50 +0,07%

Depois de encostar em R$ 3,35, dólar fecha com leve alta ante real

O dólar recuou 0,01 por cento, a 3,3310 reais na venda, depois de ir até 3,3474 reais na máxima da sessão

São Paulo - Depois de encostar em 3,35 reais na máxima da sessão, o dólar atraiu fluxo vendedor e acabou fechando praticamente estável ante o real nesta quarta-feira, movimento que se sobrepôs ao exterior, onde predominavam as preocupações sobre eventual guerra comercial global.

O dólar recuou 0,01 por cento, a 3,3310 reais na venda, depois de ir até 3,3474 reais na máxima da sessão. O dólar futuro tinha leve alta de cerca de 0,14 por cento.

"O dólar tem trabalhado mais pressionado e está procurando seu novo patamar. Por ora, mercado entendeu que os 3,35 reais eram suficientes", comentou um gestor de derivativos de uma corretora local.

Na abertura desta quarta-feira, o mercado já havia tentado uma correção depois da alta que içou o dólar de 3,2428 reais no final de fevereiro para 3,3314 reais na véspera, influenciada pelo anúncio de leilão de linha pelo Banco Central. Mas o exterior acabou exercendo maior influência e o viés de alta voltou.

"A volatilidade segue alimentando a busca por segurança no mercado... O anúncio de leilão de linha do BC ajudou pontualmente na abertura, mas seguimos reféns do exterior, com Estados Unidos comandando o show", afirmou o operador da H.Commcor Corretora, Cleber Alessie Machado.

Na véspera, o BC anunciou para quinta-feira leilão de linha no total de até 2 bilhões de dólares para rolar parte dos 3,5 bilhões de dólares que vencem em 3 de abril.

"Enquanto alguns podem achar na rolagem parcial um motivo para alta do dólar, lembremos que o BC não rolou nada do 1,5 bilhão de dólares que venceu no início deste mês", acrescentou Machado.

O Banco Central brasileiro vendeu nesta sessão toda a oferta de até 12,6 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e concluiu a rolagem do vencimento de abril, de 9,029 bilhões de dólares.

Em maio, vencem apenas 2,565 bilhões de dólares em contratos de swap cambial, segundo dados do site da autoridade monetária. O estoque total do BC soma 23,797 bilhões de dólares em swap.

No exterior, o jornal estatal chinês Global Times noticiou que a China anunciará em breve uma lista de tarifas retaliatórias sobre exportações dos Estados Unidos para o país.

Além disso, notícias de que o presidente norte-americano, Donald Trump, e a chanceler alemã, Angela Merkel, discutiram "unir forças para combater" as práticas econômicas da China e o suposto roubo de propriedade intelectual aumentaram os temores de que as tensões comerciais possam ganhar corpo.

O dólar operava em alta ante a cesta de moedas, também com suporte da revisão em alta do PIB dos EUA no quarto trimestre para 2,9 por cento, ante previsão de elevação de 2,7 por cento. A estimativa anterior havia sido de 2,5 por cento.

Uma economia mais robusta nos Estados Unidos pode levar o mercado a começar a prever alta adicional de juros além das outras duas previstas para este ano pelo Federal Reserve, banco central do país. Com isso, recursos aplicados em outras praças, como a brasileira, podem ser dirigidos ao mercado norte-americano.

Esse movimento pode encontrar respaldo no diferencial de juros, em meio à redução da Selic brasileira, atualmente na mínima histórica de 6,50 por cento ao ano e com apostas de que continuará recuando.

Ante divisas de emergentes, o dólar operava misto, com baixa ante o peso mexicano e alta ante a lira turca e o rand sul-africano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.