• BVSP 120.700,67 pts +0,3%
  • USD R$ 5,6169 +0,0003
  • EUR R$ 6,7268 +0,0042
  • ABEV3 R$ 15,78 -0,19%
  • BBAS3 R$ 29,6 +0,00%
  • BBDC4 R$ 25,86 +0,23%
  • BRFS3 R$ 24,25 -0,08%
  • BRKM3 R$ 48,4 +3,29%
  • BRML3 R$ 9,78 +0,72%
  • BTOW3 R$ 67,9 +1,24%
  • CSAN3 R$ 90,9 +0,82%
  • ELET3 R$ 34,19 -0,55%
  • EMBR3 R$ 15,85 -1,80%
  • Petróleo US$ 67,15 +0,51%
  • Ouro US$ 1.764,70 -0,12%
  • Prata US$ 25,93 +0,02%
  • Platina US$ 1.201,60 +0,37%

Petróleo fecha em baixa e registra mais de 8% de queda na semana

Os preços voltaram a recuar, com os investidores ainda reagindo ao último relatório do Departamento de Energia, que mostrou um aumento nos estoques

Nova York - Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta sexta-feira, 10, ampliando as perdas registradas durante a semana, pressionados pela preocupação, por parte dos investidores, quanto ao aumento na produção da commodity nos Estados Unidos.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para abril fechou em baixa de 1,60%, a US$ 48,49 por barril. A queda semanal foi de 9,08%.

Já o petróleo tipo Brent para maio, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), recuou 1,57%, a US$ 51,37 por barril. Na semana, o contrato registrou perda de 8,10%.

Os preços do petróleo avançaram no início do dia, impulsionados por um movimento de correção após as fortes perdas da sessão do dia anterior, quando os contratos recuaram mais de 5%.

Após a divulgação do relatório de emprego de fevereiro dos EUA (payroll), a commodity chegou a ampliar os ganhos, com o dólar perdendo um pouco de força.

No entanto, os preços abandonaram os ganhos e voltaram a recuar, com os investidores ainda reagindo ao último relatório do Departamento de Energia (DoE) dos EUA, que mostrou um aumento nos estoques da commodity e fez com que os investidores temessem que mesmo os cortes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros grandes produtores não conseguissem drenar o excesso mundial de petróleo.

Durante todo o ano, os preços ficaram estagnados entre US$ 50 e US$ 55, apesar de dados mostrarem altos níveis de conformidade por parte da Opep com o acordo de corte.

"Já tínhamos um bom retorno", disse John Saucer, vice-presidente de pesquisa e análise da Mobius Risk Group, em Houston. Segundo ele, o acúmulo de posições otimistas por parte dos investidores tornou o mercado vulnerável a um "selloff".

Para Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch & Associates, o mercado ainda é bastante vulnerável.

Ele disse, também, que espera outro grande aumento na oferta de petróleo por parte dos EUA na próxima semana e que a decisão da Opep pode enfraquecer em face de preços mais baixos.

Também nesta sexta-feira, a Baker Hughes informou que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA subiu 8, na última semana, para 617.

Na comparação anual, o avanço foi de 231, segundo a companhia, sendo a oitava alta consecutiva do indicador. Fonte: Dow Jones Newswires

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.