• BVSP 119.335,53 pts -0,6%
  • USD R$ 5,4459 -0,1235
  • EUR R$ 6,5429 -0,1611
  • ABEV3 R$ 15,95 +2,11%
  • BBAS3 R$ 29,74 -1,20%
  • BBDC4 R$ 23,1 -0,69%
  • BRFS3 R$ 23,26 -2,31%
  • BRKM3 R$ 50,76 -1,91%
  • BRML3 R$ 9,58 -2,44%
  • BTOW3 R$ 64,84 -1,31%
  • CSAN3 R$ 93,24 +0,70%
  • ELET3 R$ 35,55 +0,88%
  • EMBR3 R$ 15,14 +0,40%
  • Petróleo US$ 65,55 +0,80%
  • Ouro US$ 1.783,30 -0,61%
  • Prata US$ 26,19 -1,71%
  • Platina US$ 1.207,40 -0,79%

Mesmo com perdas, Abercrombie & Fitch surpreende investidor

Vendas da empresa caíram no segundo trimestre do ano, mas ficaram bem acima do esperado pelo mercado

São Paulo -- As ações da Abercrombie & Fitch sobem nesta quinta-feira nos Estados Unidos, depois que a varejista de moda reportou perdas menores do que os analistas esperavam e uma melhora nos números da Hollister, sua marca voltada para o público mais jovem. Os papéis da companhia, atualmente cotados na casa dos 11 dólares, chegaram a subir 20% durante a manhã.

De maio a julho deste ano, a Abercrombie registrou 779,3 milhões de dólares em vendas líquidas. O número é menor do que o apurado no mesmo período de 2016,  quando a empresa vendeu 783,2 milhões de dólares, mas superior à expectativa de analistas consultados pela Reuters, que giravam em torno de  758 milhões de dólares. 

As vendas "mesma lojas", ou seja, em unidades abertas há mais de 12 meses, caíram 1% no período -- bem menos do que os 2,1% estimados por quem acompanha a companhia.

As notícias boas ficaram reservadas para a Hollister, que vendeu 6% mais no período, superando as expectativas de crescimento de 2,9%.

Os resultados, segundo o diretor executivo da empresa, Fran Horowitz, são uma demonstração dos esforços da Hollister de aproximar o público da marca e servem de exemplo para toda a Abercrombie. 

Há alguns anos, a companhia lida com uma grave crise de identidade. Desde 2014, quando Mike Jeffries deixou o cargo de CEO, a empresa tenta se reinventar e deixar de lado a imagem de marca que produz roupas com logotipos gigantescos, divulgadas em campanhas com modelos sem camisa. 

Fora isso, a Abercrombie enfrenta o desafio de provar ao mercado que a marca é capaz de atrair o público jovem em um momento em que a Amazon avança para o varejo e os shoppings centers se transformam em “cemitérios.”

"Criação de valor"

Em maio deste ano, a varejista informou que, após receber ofertas de diversas empresas, estava à venda. Dois meses depois, o presidente do conselho administrativo Arthur Martinez, voltou atrás e comunicou aos investidores que as discussões sobre um acordo de compra foram encerradas.

“Depois de uma avaliação exaustiva de todos os fatores relevantes, com a ajuda de nosso assessor financeiro, o conselho da Abercrombie & Fitch  determinou que a melhor maneira de aumentar o valor para os acionistas é a rigorosa execução do nosso plano de negócio”, disse Martinez. “Temos o compromisso de adotar ações sólidas e agressivas para melhorar os resultados e o valor a longo prazo para os acionistas.”

Talvez, os resultados apresentados hoje sejam um primeiro sinal de que os planos da empresa possam dar certo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.