Índice Bovespa exibe leve alta antes de comunicado do Fed

São Paulo – O principal índice das ações brasileiras operava em leve alta nesta quarta-feira, em uma sessão sem tendência clara, à espera das declarações do Federal Reserve sobre a política monetária dos Estados Unidos.

Às 11h23, o Ibovespa avançava 0,1 por cento, a 61.487 pontos, após cair até 0,32 por cento logo após a abertura. O giro financeiro do pregão, que deve ser enxuto devido ao feriado de Corpus Christi na quinta-feira, era de 1 bilhão de reais.

O voto de confiança do Parlamento da Grécia ao governo do país tinha pouca repercussão. A demonstração de apoio abre caminho para a realização das reformas fiscais exigidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para a ajuda financeira a Atenas. “O mercado já havia precificado bastante a aprovação (do voto) nos últimos dias”, disse o operador de renda variável de uma corretora em São Paulo.

Na terça-feira, com volume abaixo da média no ano, o índice teve alta de 0,42 por cento.

A decisão do Fed sobre política monetária será anunciada em comunicado às 13h30 (horário de Brasília). Às 15h15, começa a entrevista com o chairman da instituição, Ben Bernanke. O mercado prevê que o Fed reduza as projeções para o crescimento da economia em 2011, mas não espera sinais sobre qualquer mudança na política para o curto prazo. Entre as ações com maior liquidez, Vale PNA avançava 0,2 por cento, a 43,74 reais, e Petrobras PN ganhava 1,4 por cento, a 23,57 reais.

As empresas de meios de pagamentos eletrônicos Cielo e Redecard se destacavam entre as ações em alta após a recomendação “outperform” (acima da média de mercado) dada pelo Credit Suisse. Cielo subia 1,05 por cento, a 38,55 reais, e Redecard ganhava 1,5 por cento, a 23,14 reais.

Destacando as perspectivas mais otimistas sobre a competição no setor, o analista Victor Schabbel elevou o preço-alvo de Cielo de 39 para 50 reais e de Redecard de 20 para 29 reais. A fabricante de bens de consumo Hypermarcas avançava 0,9 por cento, a 14,64 reais. Analistas do Bank of America Merrill Lynch destacaram que, após a queda de 50 por cento em relação a outubro, a ação está a um preço muito atraente e é uma das preferidas para os próximos 12 meses.

“A venda das problemáticas unidades de alimentos e de produtos de limpeza parece a caminho, e poderia gerar cerca de 500 milhões de reais”, escreveram os analistas Robert Ford, Melissa Byun e Marcelo Santos como um dos cinco motivos para a visão positiva sobre a empresa.

Na parte de baixo, as ações de construtoras perdiam terreno, com queda de 2,5 por cento de Rossi Residencial , a 12,63 reais.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.