Illy: preço internacional do café está 50% ’sobrevalorizado’

Presidente da empresa acredita que setor passa por uma "bolha" e acredita que preços devem cair

Brasília – Os preços do café negociados em Nova York estão 50 por cento “sobrevalorizados”, puxados pela especulação de mercado, o que está criando uma “bolha” global para as commodities, disse Andrea Illy, presidente da Illycaffè SpA.

Um preço mais “razoável” para o café seria entre US$ 1,80 e US$ 2,20 por libra-peso, disse Illy, em uma entrevista em São Paulo hoje. O preço pode cair para algo entre US$ 1,50 e US$ 1,80 a libra-peso caso a produção aumente e reforce os estoques, disse Illy.

“O café está preso no meio dessa grande especulação de commodities”, disse ele. “Estamos agora em uma bolha para todas as commodities e esta bolha vai estourar com certeza.”

Os contratos futuros do café arábica mais que dobraram de valor nos últimos 12 meses com o receio de que o aumento da demanda mundial supere a oferta, afetada por condições climáticas adversas na América Latina, a maior região produtora do grão. Essa tendência de alta pode se reverter à medida que cafeicultores no Brasil e em outros países aumentem a produção para aproveitar os altos preços, disse Illy.

A produção global pode aumentar 10 por cento no próximo ano-safra porque os investidores estão sendo estimulados a investir mais, disse Illy. Ainda assim, o crescimento da demanda pode ficar em 1 por cento neste ano, depois de uma alta de 1,5 por cento em 2010, disse Illy.

O aumento da safra acompanhado de um menor crescimento da demanda “vai gerar já no próximo ano condições para uma correção significativa nos preços”.

A Illycaffè poderá aumentar preços dos seus produtos em junho, julho ou agosto deste ano, depois de uma alta de 10 por cento em 2010, disse Illy.

A produção brasileira da commodity deve ficar entre 45 milhões e 47 milhões de sacas este ano, comparado com uma safra recorde de 55 milhões de sacas no ano passado, disse ele.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.