• BVSP 119.297,13 pts +0,4%
  • USD R$ 5,7176 -0,0008
  • EUR R$ 6,8341 -0,0017
  • ABEV3 R$ 15,65 +0,90%
  • BBAS3 R$ 29,54 -0,03%
  • BBDC4 R$ 25,55 -0,66%
  • BRFS3 R$ 24,5 +0,08%
  • BRKM3 R$ 47,05 +0,62%
  • BRML3 R$ 9,86 +0,51%
  • BTOW3 R$ 69 +9,00%
  • CSAN3 R$ 89,94 -0,07%
  • ELET3 R$ 34,78 +0,12%
  • EMBR3 R$ 15,77 -1,74%
  • Petróleo US$ 64,76 +1,23%
  • Ouro US$ 1.742,40 -0,22%
  • Prata US$ 25,39 -0,06%
  • Platina US$ 1.178,00 +1,62%

Ibovespa sobe 1,8% com bancos, siderúrgicas e mineradoras

O movimento abre a semana que tende a ser marcada por mais volatilidade diante da aguardada apresentação de denúncia contra o presidente Temer

São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionado pelo cenário externo mais favorável a ativos de risco e tendo as ações de bancos, siderúrgicas e mineradoras em destaque de alta, mas ainda em um ambiente de cautela com o cenário político.

O Ibovespa fechou em alta de 1,8 por cento, a 62.188 pontos. A sessão foi marcada por baixo volume financeiro, que somou 5,75 bilhões de reais, muito inferior à média diária para junho até sexta-feira, de 8,11 bilhões de reais.

Os investidores aproveitaram a sessão positiva para commodities no exterior e com notícias favoráveis da Europa para recuperar parte das perdas recentes.

Na Alemanha, a confiança empresarial subiu para máxima recorde, enquanto a Itália iniciou o processo de liquidação de dois bancos no país, visto como um passo importante para o governo italiano sanear o sistema bancário.

"Essa sessão foi de alguma recuperação depois da semana passada bem pesada. Mas não tem nenhuma notícia muito boa para comprar", disse o analista da Um Investimentos Aldo Moniz.

O movimento abre a semana que tende a ser marcada por mais volatilidade diante da aguardada apresentação de denúncia pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, disseram operadores.

Temer é alvo de inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa, em investigação que tem como base a delação do executivo da JBS Joesley Batista.

Destaques

- BRADESCO PN subiu 4,51 por cento, ITAÚ UNIBANCO PN avançou 2,82 por cento, BANCO DO BRASIL ON teve ganhos de 5,85 por cento --melhor desempenho do Ibovespa-- e SANTANDER UNIT teve alta de 2,24 por cento, em uma sessão positiva para o setor bancário. Segundo operadores, a expectativa por acordos de leniência com bancos no âmbito da operação Lava Jato ajudou o tom positivo do setor, uma vez que amenizaria os impactos de uma eventual delação do ex-ministro Antonio Palocci que possa envolver o setor.

- VALE PNA teve alta de 1,5 por cento e VALE ON ganhou 0,84 por cento, em linha com os ganhos dos contratos futuros do minério de ferro na China.

- USIMINAS PNA avançou 4,29 por cento, enquanto CSN ON subiu 2,19 por cento e GERDAU PN ganhou 3,4 por cento, também amparados nos ganhos dos contratos futuros do aço e do minério de ferro na China.

- PETROBRAS PN subiu 2,85 por cento e PETROBRAS ON avançou 1,55 por cento, em sessão que terminou positiva para os preços do petróleo no mercado internacional, após alguma volatilidade ao longo do dia. Também no radar estava a retomada das negociações com a fornecedora de sondas Sete Brasil.

- ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES ON caiu 1,79 por cento, pior desempenho do índice, e KROTON ON recuou 1,43 por cento, em meio à expectativa pelo julgamento no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) do processo de fusão das duas empresas, marcado para quarta-feira.

- ALPARGATAS PN, que não faz parte do Ibovespa, subiu 3,87 por cento, após informar que sua controladora, a J&F, e a Cambuhy Investimentos fecharam acordo de confidencialidade para possível aquisição de participação na fabricante das sandálias Havaianas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.