• BVSP 120.061,99 pts -0,7%
  • USD R$ 5,5695 +0,0001
  • EUR R$ 6,7132 +0,0092
  • ABEV3 R$ 15,7 -0,19%
  • BBAS3 R$ 30,12 +1,69%
  • BBDC4 R$ 23,26 -1,52%
  • BRFS3 R$ 23,9 +0,13%
  • BRKM3 R$ 51,9 -1,69%
  • BRML3 R$ 9,82 +0,00%
  • BTOW3 R$ 65,89 -2,53%
  • CSAN3 R$ 92,46 +2,80%
  • ELET3 R$ 35,4 +1,03%
  • EMBR3 R$ 15,08 -2,27%
  • Petróleo US$ 64,98 -0,08%
  • Ouro US$ 1.789,40 -0,27%
  • Prata US$ 26,46 -0,69%
  • Platina US$ 1.204,10 -1,06%

Ibovespa sobe 1,12% puxada por commodities e balanços

Investidores aproveitaram também para ajustar posições no último pregão do mês e antes do fim de semana prolongado pelo feriado

São Paulo - O mercado acionário brasileiro encerrou a sexta-feira no azul, apoiado na recuperação das commodities e balanços positivos de empresas brasileiras, com destaque para o Grupo Pão de Açúcar (GPA), que teve o melhor desempenho do principal índice de ações da bolsa paulista.

O Ibovespa fechou em alta de 1,12 por cento, a 65.403 pontos, na máxima da sessão. O indicador acumulou ganho de 2,58 por cento na semana, e de 0,65 por cento no mês de abril. O giro financeiro somou 7,84 bilhões de reais.

Investidores aproveitaram também para ajustar posições no último pregão do mês e antes do fim de semana prolongado pelo feriado do Dia do Trabalho, na segunda-feira.

O cenário político seguiu no radar e ainda inspira cautela, com as atenções voltadas para os desdobramentos da greve geral contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo de Michel Temer.

Entre outros fatores para a alta, operadores citaram a recuperação das commodities no exterior, que deu sustentação a papéis de peso dentro do Ibovespa, incluindo Vale e Petrobras, além das siderúrgicas.

Começa a vigorar na próxima semana a nova carteira teórica do Ibovespa para o período de maio a agosto, que passará a contar com o papel PNB da Eletrobras.

Destaques

- GRUPO PÃO DE AÇÚCAR PN fechou em alta de 9,46 por cento, tendo o melhor desempenho do Ibovespa, depois que a varejista divulgou um resultado acima do esperado, com lucro líquido consolidado de 215 milhões de reais no primeiro trimestre, revertendo prejuízo de 157 milhões de reais um ano antes.

- SMILES ON fechou com valorização de 2,75 por cento, após ter registrado alta anual de 32 por cento no lucro líquido do primeiro trimestre, a 156,3 milhões de reais.

- RD ON, ex-Raia Drogasil, subiu 2,2 por cento, beneficiada pelo crescimento de 17 por cento do lucro líquido do primeiro trimestre, conforme esforços para controlar despesas permitiram a melhora das margens.

- VALE ONencerrou com ganho de 2,39 por cento e VALE PNAsubiu 2,58 por cento, reagindo positivamente ao forte avanço dos preços do minério de ferro na China e ao balanço do primeiro trimestre, no qual a mineradora apurou o maior lucro trimestral desde 2013.

- PETROBRAS ON fechou em alta de 1,75 por cento e PETROBRAS PNavançou 1,13 por cento, na esteira da recuperação do petróleo no exterior e expectativas de resultados melhores no primeiro trimestre. A estatal divulga seu balanço em 11 de maio.

- CIA HERING ON, que não faz parte do Ibovespa, disparou 15,89 por cento e liderou os ganhos do índice de small caps, que subiu 2,52 por cento. O resultado trimestral da empresa agradou investidores e alimentou expectativas de recuperação da receita nos próximos meses.

- FLEURY ON, que também não está no Ibovespa, saltou 11,11 por cento, tendo atingido máxima histórica, após divulgar lucro líquido 82,6 por cento maior no primeiro trimestre.

- BRADESCO PN caiu 0,24 por cento, ainda refletindo o balanço trimestral. Apesar da alta de 13 por cento no lucro recorrente, o resultado foi ofuscado pelo aumento do índice de atrasos e pela piora no desempenho do negócio de seguros.

- TIM PARTICIPAÇÕES recuou 0,87 por cento, com a terceira maior baixa do Ibovespa, depois que a empresa informou queda de 8 por cento na base de clientes, com lucro líquido de 132 milhões de reais no primeiro trimestre.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.