Ibovespa cai puxado por exportadores e volta a ficar abaixo dos 100 mil

Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, decepciona mercado com discurso sem novidades

A bolsa brasileira fechou em queda nesta quarta-feira, 15, puxada pelas ações de empresas exportadoras em meio à queda do dólar no mercado de câmbio. Entre os investidores, as atenções se voltaram para o comunicado do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, que não trouxe grandes novidades, decepcionando os mais otimistas. O Ibovespa, principal índice da B3, caiu 0,62% e encerrou em 99.675,68 pontos.

EUA

Como já era amplamente esperado, a taxa de juros americana foi mantida inalterada no intervalo entre 0% e 0,25%. Já o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, deixou a desejar na opinião dos investidores. No mercado, havia alguma esperança de anúncio de novas medidas de estímulo – o que não ocorreu. “Ele não trouxe nenhuma novidade a ponto de animar mercado e o mercado sempre espera mais, está ficando mal acostumado com estímulos”, afirma Jefferson Laatus, estrategista-chefe do Grupo Laatus.

Copom

No Brasil, o Copom irá divulgar o resultado somente após o fechamento dos mercados, às 18h. Até lá, os investidores, que esperam pela manutenção da taxa Selic em 2% ao ano, devem seguir se perguntando se a porta para novos cortes deve seguir aberta. Na ata da última reunião, o Copom sinalizou que eram novos cortes ainda eram possíveis, mas que se fossem feitos, seriam residuais. Mas a elevação do risco fiscal em meio ao aumento de gastos do governo e o aumento da inflação presente nos últimos indicadores de preço reduziram a expectativa do mercado sobre um novo corte.

“Na minha opinião, não tem espaço para novos cortes. Então, acredito que essa parte [sinalização de novos cortes] deve retirada do comunicado”, afirma Pedro Silveira, economista-chefe da Nova Futura, que classifica os riscos fiscais e de inflacionário como possíveis pontos sensíveis a uma nova queda de juros.

Vendas no Varejo

Nesta manhã, os EUA divulgaram os dados de vendas no varejo de agosto, que tiveram 0,6% de alta mensal, ficando abaixo das expectativas de 1% de crescimento. Na véspera, os dados americanos de produção industrial também decepcionaram.

Exportadoras

Em meio à queda do dólar, as ações das principais exportadoras do Brasil figuraram entre as maiores quedas do Ibovespa, puxando o índice para baixo. Na ponta negativa, ficaram as ações Minerva, que caíram 3,6%, enquanto suas concorrentes JBS e Marfrig caíram 3,15% e 2,4%, respectivamente. Com cerca de 10% do índice, os papéis da Vale caíram 2,6%, enquanto a CSN caiu 1,7%. Como fator adicional à queda do dólar, esteve a desvalorização do minério de ferro, que caiu 5% na China. Suzano e Klabin tiveram respectivas perdas de 2,68% e 1,69%.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.