Ibovespa sobe acima de 96 mil com dados surpreendentes e possível vacina

Revisão de desemprego americano e atividade industrial injetam otimismo no mercado

O Ibovespa, principal índice de ações da bolsa brasileira, fechou em alta, nesta quarta-feira, 1, com dados econômicos superando as expectativas dos investidores. Notícias sobre avanços de uma possível vacina desenvolvida pela Pfizer também ajudaram a sustentar as bolsas no terreno positivo. Com isso, o Ibovespa subiu 1,21% e encerrou em 96.204,20 pontos.

O tom positivo se deu ainda pela manhã, logo após o instituto ADP divulgar os dados do mercado de trabalho americano. Em junho, foram criadas 2,369 milhões de postos de trabalho nos Estados Unidos. Embora o número tenha ficado abaixo das projeções de mercado que apontavam para aumento de 3 milhões de empregos, a revisão dos números de maio, de perda de 2,760 milhões de vagas para a criação de 3,065 milhões animou os investidores, fazendo os futuros dos índices americanos virarem para alta.

“Os dados mostram que a economia está recuperando o nível de atividade, depois de tudo que aconteceu no primeiro semestre”, afirmou Gustavo Bertotti, economista da Messem Investimentos.

Os investidores também repercutiram de forma positiva o índice de atividade industrial (ISM, na sigla em inglês), que subiu, em junho, para 52,6 pontos, ficando acima dos 50 pontos que delimitam a contração da expansão da atividade. O mercado esperava que o índice ficasse em 49,5 pontos.

Por outro lado, o crescente número de infectados por covid-19  nos Estados Unidos ainda preocupa os investidores, que temem a desaceleração da recuperação econômica. Na véspera, alguns estados, como Califórnia e Texas, voltaram a apresentar recordes de casos diários.

O que pode atenuar os temores sobre a doença é a descoberta de uma vacina. Nesta quarta, a Pfizer publicou os primeiros resultados clínicos de sua vacina, que, de acordo com relatórios preliminares, apresentou maior nível de anticorpos do que o constatado em pessoas que foram infectadas pelo vírus. O artigo em que a empresa reporta os resultados dos testes, porém, ainda não foi revisado pela comunidade científica.

Para Marcel Zambello, analista da Necton Investimento, a notícia é positiva, mas não há espaço para euforia. “Considerando toda a parte de aprovação regulatória, a gente não acha que vai ser algo de tão curto prazo. O que prevalece no mercado são os indicadores das economias mundiais.”

Além da proliferação do coronavírus em estados americanos, a primeira prisão por meio da lei de segurança nacional, em Hong Kong, manteve a cautela no mercado. Os temores são de que o governo americano, contrário à medida, retalie a China por meio de sanções comerciais.

“Isso gera uma incerteza muito grande. A lei de segurança nacional sobre Hong Kong, que é a porta de entrada para o mercado financeiro asiático, pode complicar a relação comercial entre os dois países”, disse Bertotti.

Destaques

Na bolsa, as ações do IRB tiveram mais um pregão de fortes perdas, após a empresa ter divulgado, na véspera, o balanço do primeiro trimestre, que registrou queda de 92% do lucro líquido em relação ao mesmo período do ano passado. A empresa também revisou as demonstrações financeiras de 2019, por falhas da diretoria anterior. Depois de cair cerca de 11% na sessão anterior, os papéis da companhia voltaram a liderar as perdas do Ibovespa, recuando 7,18%. A queda do preço-alvo estabelecido pelo Credit Suisse para a ação também pesou.

Na ponta positiva, figuraram as ações da Cielo, que subiram 5,14%, depois de o Cade retirar a medida cautelar que suspendia a parceria com o Facebook, que visava pagamentos e transferências por meio do aplicativo de mensagens Whatsapp. Mas, para analistas da Guide, a medida do cade é apenas “marginalmente” positiva para a empresa. “Apesar da revogação do Cade da medida que suspendia a parceria representar um primeiro passo, o serviço só poderá ser iniciado quando o Banco Central aprovar. Porém, ainda não há nenhuma data ou sinalização de que se iniciará em breve”, afirmaram em relatório.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.