Europa fecha quase estável em dia de poucos negócios

Por Gustavo Nicoletta

Londres – Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam perto da estabilidade e sem direção comum. Segundo operadores, alguns mercados foram levemente pressionados pelos dados mais fracos que o previsto sobre o preço das moradias e a confiança do consumidor nos EUA. A sessão, no entanto, teve um baixo volume de negócios em decorrência das festas de final de ano e de um feriado no Reino Unido.

Os preços das residências nas 20 maiores áreas metropolitanas dos EUA caíram 0,8% em outubro na comparação com igual período do ano passado, segundo a pesquisa S&P/Case-Shiller. O recuo foi levemente superior à previsão dos analistas, que esperavam queda de 0,6%. Além disso, o instituto Conference Board divulgou que seu índice de confiança do consumidor norte-americano caiu para 52,5 em dezembro, ante uma leitura revisada de 54,3 em novembro. Analistas consultados pela Dow Jones esperavam que o indicador subisse para 57,0.

O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 fechou em alta de 0,72 ponto, ou 0,26%, a 279,90 pontos. Na Bolsa de Paris, o CAC 40 recuou 3,47 pontos, ou 0,09%, para 3.858,72 pontos. O Xetra DAX, da Bolsa de Frankfurt, subiu 1,37 ponto, ou 0,02%, para 6.972,10 pontos, enquanto o Ibex 35, da Bolsa de Madri, teve alta de 4,50 pontos, ou 0,05%, para 9.903,50 pontos. A Bolsa de Londres não funcionou nesta terça-feira.

As ações de montadoras continuaram sofrendo pressão dos planos do governo municipal de Pequim para limitar o número de licenças para a venda de automóveis no ano que vem. Em Frankfurt, fecharam em baixa BMW (-1,64%), Volkswagen (-0,61%) e Daimler (-0,14%). Em Paris, caíram Peugeot (-0,55%) e Renault (-0,67%). A Fiat subiu 1,53% em Milão, após ter caído 3,41% ontem.

Em Madri, as empresas fornecedoras de energia fecharam em queda após o governo espanhol ter aprovado um aumento de 9,8% nos preços da eletricidade. A Endesa caiu 0,74% e a Iberdrola 0,53%. Em Paris, os papéis da Alcatel-Lucent fecharam em alta de 1,85% após a companhia ter chegado a um acordo para encerrar um processo em que é acusada de suborno nos EUA. As informações são da Dow Jones.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.