Eleições de Alcolumbre e Maia devem animar mercado, dizem economistas

Na atual etapa de debates envolvendo a Previdência, a principal reforma aguardada pelo mercado, as atenções se concentram forte no Congresso

São Paulo – Nomes do governo, as eleições de Davi Alcolumbre (DEM-AP) e de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para as presidências do Senado e da Câmara dos Deputados, respectivamente, devem animar os mercados na segunda-feira, 4, apostam economistas.

Para o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, apesar de algumas dificuldades, “o resultado líquido é uma vitória do governo”.

“Eu acho que o primeiro nome (Maia) já foi dentro do que o governo esperava. Eu imagino que reforça a ideia que vai ser mais fácil para o governo negociar com a Câmara tendo ele como interlocutor”, defendeu.

Já o resultado do Senado trouxe algumas instabilidades. “(O contexto) mostrou um Senado mais problemático. A forma como aconteceu, bem turbulenta, pode trazer um pouco de emoção para o governo. Mas, no final das contas, sinaliza que o governo tem a maioria lá”, disse.

Na atual etapa de debates envolvendo a Previdência, a principal reforma aguardada pelo mercado, Silveira disse que as atenções continuarão no Congresso, daí a relevância da vitória governista nas presidências das duas casas. “Passada a reforma da Previdência, os olhos dos mercados estarão mais focados nos ministérios do que no Legislativo”, disse. O economista explicou que diversas pastas do governo já sinalizaram a elaboração de propostas importantes para destravar a economia – promessa do governo que já estaria até embutida nos preços dos ativos, com o Ibovespa se aproximando dos 100 mil pontos.

“Vitória do Davi pode ter deixado cicatrizes no Senado”, diz economista

O economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, diz que ainda é cedo para avaliar os reais benefícios que tal cenário trará para o andamento das reformas. Segundo Perfeito, o mercado deve voltar a operar animado na segunda-feira.

“É provável que o mercado se entusiasme (com a vitória dos aliados), mas vai demorar muito ainda para a gente entender se eles (Maia e Alcolumbre) vão conseguir articular ou não. A vitória do Davi pode ter deixado cicatrizes no Senado”, disse.

De acordo com Perfeito, o pleito tumultuado e o conflito com Renan Calheiros (MDB-AL) podem ser uma conta cara no futuro. “O custo elevado é que o Senado está conflitado. Renan (Calheiros) é um inimigo poderoso e eles conseguiram transformar ele em um inimigo (do governo) e isso preocupa”, argumentou.

Perfeito ponderou, ainda, que a vitória de Maia não garante sinal verde para o governo na Câmara. “Maia conseguiu chegar de forma contundente e fazendo acordos tanto com a direita, quanto com a esquerda. Não se sabe que tipo de aliança é essa que se construiu”, disse o especialista.

O economista-chefe da Necton lembrou que Maia pode facilitar o trânsito do governo, mas que ele sozinho tem poderes limitados. “As pessoas vão ter de ir atrás dos votos na Câmara. Não depende dele (Maia)”, afirmou, acrescentando que o governo poderá ter dificuldade no andamento das propostas que dependam das mesas diretoras.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.