• BVSP 121.113,93 pts +0,3%
  • USD R$ 5,5873 -0,0014
  • EUR R$ 6,6964 +0,0000
  • ABEV3 R$ 15,85 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,75 +0,37%
  • BBDC4 R$ 26,17 +1,43%
  • BRFS3 R$ 23,62 -2,80%
  • BRKM3 R$ 50,09 +3,24%
  • BRML3 R$ 9,8 +0,20%
  • BTOW3 R$ 68,22 +0,04%
  • CSAN3 R$ 90,81 -0,27%
  • ELET3 R$ 35,46 +3,68%
  • EMBR3 R$ 15,81 -0,94%
  • Petróleo US$ 61,98 +0,00%
  • Ouro US$ 1.795,80 +0,00%
  • Prata US$ 26,32 +0,00%
  • Platina US$ 1.208,70 +0,00%

Dólar tem a maior alta em 2 meses e fecha a R$ 4,08

A moeda norte-americana encerrou o pregão desta quinta-feira no maior patamar em três semanas

dólar fechou esta quinta-feira com a maior alta em dois meses frente ao real, para o patamar mais alto em três semanas, puxado por mais um dia de força da moeda norte-americana em todo o mundo, movimento que tem marcado este começo de 2020.

O aumento das tensões entre Estados Unidos e Irã deu o argumento para investidores retomarem compras defensivas de dólares, depois de a moeda ter recuado em dezembro. Segundo Bruno Marques, gestor dos fundos multimercados da XP Asset, o real pode estar "levemente pior" que alguns pares emergentes, mas de maneira geral tem acompanhado seus rivais.

"Estamos inclusive com uma posição pequena e tática comprada em real. Ainda estamos nos adaptando a esse ambiente de juro baixo... e boa parte do movimento de troca de dívida do ano passado parece que ficou para trás", disse, referindo-se ao movimento de antecipação de pagamentos de dívida externa por empresas brasileiras, que implicou saída de dólares no ano passado.

O Brasil perdeu mais de 44,7 bilhões de dólares no ano passado, pelos números do fluxo cambial, pior dado anual da série histórica do Banco Central.

Nesta quinta, o real sofreu pressão adicional de dados mais fracos da produção industrial, que se somam a recentes números apontando perda de vigor nos setores manufatureiro e de serviços no país no fim do ano passado.

No mercado à vista, o dólar encerrou em alta de 0,85%, a 4,0864 reais na venda. É a maior valorização percentual diária desde 8 de novembro de 2019 (+1,83%). O nível de fechamento é o mais alto desde o último dia 20 de dezembro (4,0949 reais na venda).

Na B3, em que as operações com dólar futuro terminam às 18h15, o dólar tinha alta de 0,60%, a 4,0945 reais.

O dólar subiu mais no mercado à vista em comparação ao futuro devido a um ajuste, já que, na véspera, os contratos futuros ganharam fôlego depois de novas notícias sobre a crise EUA-Irã, enquanto as negociações no segmento à vista já estavam encerradas.

O dólar à vista fechou a quarta-feira em queda de 0,31%. No mesmo horário, às 17h, o dólar futuro estava em baixa de 0,41%. Mas por volta de 17h45 notícias de que explosões e sirenes haviam sido ouvidas em Badgá, capital do Iraque, voltaram a deixar investidores nervosos. Às 18h15, no encerramento dos negócios no mercado futuro da B3, o dólar já havia zerado quase toda a queda, com variação negativa de 0,09%. (Edição de Isabel Versiani)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.