Dólar fecha em alta e caminha para R$3,85 com temores fiscais e políticos

O dólar avançou 0,75 por cento, a 3,8384 reais na venda, renovando o maior nível desde 2 de março de 2016 (3,8877 reais)

São Paulo – A preocupação com a cena fiscal e política local continuou estressando os mercados nesta quarta-feira e o dólar fechou mais um pregão em alta, a caminho do patamar de 3,85 reais, mesmo com as atuações do Banco Central.

O dólar avançou 0,75 por cento, a 3,8384 reais na venda, renovando o maior nível desde 2 de março de 2016 (3,8877 reais). No mês, já acumula valorização de 2,72 por cento e de 15,81 por cento no ano.

Na máxima do dia, a moeda norte-americana foi a 3,8499 reais. O dólar futuro tinha alta de cerca de 1 por cento no final da tarde.

“O mercado está olhando muito para o (cenário) político e hoje é prova disso, com o exterior melhor e a gente aqui apanhando”, afirmou o gerente da mesa de câmbio do banco Ourinvest, Bruno Foresti.

Pesquisas eleitorais têm mostrado dificuldade dos candidatos que o mercado considera como mais comprometidos com ajustes fiscais de ganhar tração. Na véspera, levantamento do DataPoder360 mostrou que o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) estava na segunda posição, atrás de Jair Bolsonaro (PSL), com Geraldo Alckmin (PSDB), visto pelos investidores com perfil reformista, sem decolar.

“A política, e não mais a economia, agora representa o maior risco para o real”, escreveu o economista-chefe da empresa de pesquisas macroeconômicas Capital Economics (CE), Neil Shearing, para quem a disputa eleitoral deste ano deve ficar entre a “direita populista” e a “esquerda populista”.

Os investidores também estavam preocupados com o cenário fiscal, depois do impacto da redução do preço do diesel sobre as contas públicas.

Dessa forma, o BC tem atuado no mercado. Na véspera, fez intervenção adicional ao anunciar leilão de até 30 mil novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares.

Para esta sessão, voltou ao padrão recente e vendeu o lote integral de até 15 mil novos swaps, injetando 4,116 bilhões de dólares neste mês no mercado.

O BC também vendeu integralmente a oferta de até 8.800 swaps para rolagem, já somando 1,760 bilhão de dólares do total de 8,762 bilhões de dólares que vence em julho. Se mantiver esse volume até o final do mês, rolará integralmente o volume.

No exterior, o dólar caía ante a cesta de moedas e também ante as divisas de países emergentes, como os pesos chileno e mexicano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

ATENÇÃO: Mudança na sua assinatura da revista EXAME. A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos apenas uma edição por mês. Saiba mais