• BVSP 119.915,84 pts -0,8%
  • USD R$ 5,5448 -0,0020
  • EUR R$ 6,6665 -0,0132
  • ABEV3 R$ 15,6 -0,83%
  • BBAS3 R$ 30,1 +1,62%
  • BBDC4 R$ 23,3 -1,35%
  • BRFS3 R$ 23,86 -0,04%
  • BRKM3 R$ 51,63 -2,20%
  • BRML3 R$ 9,86 +0,41%
  • BTOW3 R$ 66,06 -2,28%
  • CSAN3 R$ 92,32 +2,65%
  • ELET3 R$ 35,42 +1,08%
  • EMBR3 R$ 14,92 -3,31%
  • Petróleo US$ 66,48 -1,01%
  • Ouro US$ 1.777,20 +0,34%
  • Prata US$ 25,84 -0,15%
  • Platina US$ 1.188,20 -1,95%

Dólar fecha com a maior alta das últimas seis semanas

Em dia de divulgação do PIB norte-americano, a moeda encerrou o pregão com uma valorização de 0,79%, negociada a R$ 4,09

São Paulo — O dólar teve nesta sexta-feira a maior alta em seis semanas, fechando na casa de 4,09 reais, com operadores replicando os ganhos da moeda no exterior em dia de dados positivos nos Estados Unidos.

A divisa negociada no mercado à vista ganhou 0,79%, a 4,0949 reais na venda. É o maior patamar desde o último dia 13 (4,1086 reais na venda) e a mais forte alta percentual diária desde 8 de novembro (+1,83%).

Na semana, o dólar caiu 0,3%, a terceira semana consecutiva de baixa, o que não era visto desde junho. Na B3, o dólar futuro se apreciava 0,68%, a 4,0985 reais, enquanto no exterior o índice do dólar contra uma cesta de moedas subia 0,32%, para máximas em cerca de duas semanas.

Numa postura mais defensiva, o mercado acelerou as compras de dólares na parte da tarde, quando a liquidez tradicionalmente se reduz, movimento ainda mais claro nesta sessão por ser a sexta-feira que antecede o Natal.

Tampouco ajudou informação de que a avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro e a desaprovação à sua maneira de governar aumentaram, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira.

A força do dólar nesta sessão foi respaldada por dados firmes nos Estados Unidos, que corroboraram cenário de que a maior economia do mundo segue mais atrativa para investimentos em relação a outras --o que por tabela reduz o apelo para fluxo de capital à classe de emergentes, mais arriscada.

De toda forma, a expectativa é que o dólar mantenha algum viés de baixa no Brasil, depois de em novembro ter se aproximado de 4,30 reais.

O Bulltick Capital Markets, banco de investimento especializado em América Latina, calcula que o valor "justo" para o dólar está atualmente em 3,80 reais. A favor da moeda doméstica, estrategistas do banco citam uma "potente" combinação de inflação baixa e juro na mínima histórica, com uma "economia em crescimento".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.