• BVSP 120.980,90 pts +0,2%
  • USD R$ 5,5994 -0,0172
  • EUR R$ 6,7089 -0,0137
  • ABEV3 R$ 15,85 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,67 +0,10%
  • BBDC4 R$ 26,14 +1,32%
  • BRFS3 R$ 23,79 -2,10%
  • BRKM3 R$ 49,66 +2,35%
  • BRML3 R$ 9,79 +0,10%
  • BTOW3 R$ 68,1 -0,13%
  • CSAN3 R$ 91,55 +0,54%
  • ELET3 R$ 35,58 +4,04%
  • EMBR3 R$ 15,81 -0,94%
  • Petróleo US$ 66,99 +0,27%
  • Ouro US$ 1.779,40 +0,71%
  • Prata US$ 26,10 +0,68%
  • Platina US$ 1.208,90 +0,98%

Dólar sobe e fecha acima de R$ 5,26 com expectativa de queda da Selic

Expectativa é de corte de 0,75 ponto percentual; mercado ainda vê espaço para novas quedas de juros nas próximas reuniões do Copom

O dólar fechou em alta, nesta quarta-feira, 17, com a expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom)promova um corte de juros de 0,75 ponto percentual, renovando a mínima histórica da taxa Selic para 2,25% ao ano. Para parte do mercado, a redução de juros não deve parar por aí. Com isso, o dólar comercial subiu 0,5% e encerrou sendo vendido a 5,261 reais. O dólar turismo, com menor liquidez, avançou 0,7%, cotado a 5,55 reais.

“Todo mundo sabe que vai cortar 0,75 ponto percentual, mas não sabe se vai continuar o corte ou não. Na dúvida, o investidor fica comprado em dólar”, disse Jefferson Ruik, diretor de câmbio da Correparti.

Embora possa aquecer a economia, reduzindo o custo de empréstimos e estimulando investimentos na economia real, a queda da taxa de juros tende a enfraquecer a moeda local, tendo vista que os títulos públicos ficam menos atrativos, afastando a entrada de capital estrangeiro em busca de ganhos com renda fixa.

Segundo Ruik, a garantia de que os juros americanos não devem ser elevados tão cedo dá maior segurança para que outros bancos centrais promovam cortes de juros. Em sua última decisão sobre a política monetária, o Federal Reserve informou que pretende manter a taxa de juros próxima de zero até 2022.

“Um corte de 0,75 p. p. já está precificado. Mas se ele flexibilizar ainda mais para 1 p. p. de queda, o impacto pode ser bem forte, porque vai ficar totalmente sem atrativo e vai perder ainda mais investimento que já perdeu. Vai pressionar bastante o dólar”, disse Vanei Nagem, analista de câmbio da Terra Investimentos.

A depreciação do o real também teve reflexo do cenário externo, negativo para moedas emergentes. No exterior, pesaram os temores sobre uma segunda onda de contaminação, tendo como pano de fundo o aumento de casos de coronavírus em países asiáticos, aumentando os temores sobre uma segunda onda de contaminação. Em Pequim, escolas voltaram a ser fechadas, após serem registrados 137 infectados desde quinta-feira.

Além da Ásia, o crescimento do número de infectados registrados em algumas regiões dos Estados Unidos também preocupam os investidores. Na terça-feira, seis estados registraram recordes de novos casos, após darem início a processos de reaberturas. Entre eles, estão os estados do Texas, Flórida e Arizona. A preocupação do mercado é a de os novos casos atrasem a retomada econômica, com a necessidade de novos isolamentos. "O covid-19 ainda é o grande tema do mercado. O custo da paralisação cresce a cada semana adicional", comentou Arthur Mota, economista da Exame Research.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.