• BVSP 117.669,90 +0,0%
  • USD 5,6822 +0,0014
  • EUR 6,7680 +0,0064
  • ABEV3 15,36 +0,00%
  • BBAS3 29,19 +0,00%
  • BBDC4 25,2 +0,00%
  • BRFS3 24 +0,00%
  • BRKM3 43,37 +0,00%
  • BRML3 9,94 +0,00%
  • BTOW3 62,64 +0,00%
  • CSAN3 89,19 +0,00%
  • ELET3 35,45 +0,00%
  • EMBR3 15,96 +0,00%
  • Petróleo 63,74 +1,25%
  • Ouro 1.742,80 -0,11%
  • Prata 25,28 -0,20%
  • Platina 1.191,50 -1,47%

Dólar cai abaixo de R$3,75 com maior apetite por risco no exterior

Às 10:25, o dólar recuava 0,72 por cento, a 3,7396 reais na venda, depois de ter subido 0,8 por cento na última sexta-feira, para 3,7667 reais

São Paulo -O dólar operava em queda e abaixo de 3,75 reais nesta segunda-feira, acompanhando a trajetória da moeda norte-americana ante outras divisas no exterior em dia de maior busca pelo risco.

Às 10:25, o dólar recuava 0,72 por cento, a 3,7396 reais na venda, depois de ter subido 0,8 por cento na última sexta-feira, para 3,7667 reais, e encerrado a semana com valorização de 2,68 por cento. O dólar futuro tinha queda de 0,57 por cento.

"Os recentes dados econômicos positivos ao redor do mundo, que mostram um crescimento global ainda saudável e relativamente robusto, parecem estar dando suporte ao humor global ao risco", escreveu o chefe de multimercados da gestora Icatu Vanguarda, Dan Kawa, em relatório.

Na sexta-feira, os dados mais fortes do mercado de trabalho norte-americano deram força ao dólar ante outras divisas, uma vez que alimentam uma atuação mais forte do banco central dos Estados Unidos neste ano.

Nesta segunda-feira, esses números ofuscavam as preocupações de que as guerras tarifárias entre EUA e o resto do mundo poderiam retardar o crescimento da economia global. Além disso, o fortalecimento do euro com a redução das preocupações com a Itália também favorecia a busca pelo risco.

O dólar caía ante a cesta de moedas e também ante as moedas emergentes, como o peso chileno e a lira turca.

O euro subia ante o dólar com sinais de menos incertezas na Itália, após notícias de um acordo sobre um governo de coalizão, evitando eleições potencialmente desestabilizadoras.

Internamente, os investidores seguiam monitorando os desdobramentos da saída de Pedro Parente do cargo de presidente-executivo da Petrobras e sua substituição por Ivan Monteiro, bem como os desdobramentos da greve dos caminhoneiros e como será a condução da política de preços da petroleira a partir de agora.

O Banco Central fez nesta sessão leilão de novos swaps cambiais tradicionais - equivalentes à venda futura de dólares-- e vendeu a oferta integral de até 15 mil contratos, totalizando 1,5 bilhão de dólares neste mês.

A autoridade também realiza ainda nesta segunda-feira leilão de até 8.800 swaps cambiais tradicionais para rolagem do vencimento de julho. Se mantiver esse volume até o final do mês, rolará integralmente o total de 8,762 bilhões de dólares que vence em julho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.